1º dia de aula na escola

/

Meu primeiro dia na escola não teve nada especial. Mas, normal, porque eu já fui com a expectativa beeeem baixa pra não me decepcionar nem nada. Tipo, comprei um curso numa das escolas mais baratas do "pedaço", então eu já tinha uma ideia do que me esperava.

Acordei um pouco em cima da hora - quer dizer, só não acordei com a antecedência suficiente pra ir a pé, aí resolvi ir de ônibus mesmo. Tomei meu café da manhã e peguei o ônibus às 8:15.

Uns minutinhos depois, já tava ali no centro, em frente à Trinity College. Desci e subi a Grafton em direção à escola.

Cheguei umas 8:50 (fui andando devagarzinho, senão chegaria muito cedo) e entrei na sala. Tinha uma mesa grandona com algumas cadeiras e um cara sentado ouvindo música. Sentei ao lado e fiquei na minha.

Algum tempo depois, a professora falou "bom dia" e perguntou se já nos conhecíamos. Quando respondemos que não, ela já mandou a gente se apresentar, falar de onde era, etc, etc. E assim foi fazendo até chegar mais gente (comigo, eram 5 pessoas). Puxou uma conversa de trabalho, coisa e tal, e "começou" a aula, que basicamente foi entregar uma folha com exercícios (fotocópia do livro Gold CAE da Pearson) sobre modal verbs.

Tive que esquecer tudo aquilo que aprendi nos meus 8 anos dando aula de inglês e nos mil treinamentos e pós-graduação sobre relevância, contextualização, fazer um link dos assuntos na aula, pre/while and post.... Porque olha, entregar uma folha e mandar fazer exercício é fácil, né? Não quero parecer arrogante nem nada, mas participar dessa aula me fez sentir bem em perceber que eu fazia o meu trabalho MUITO BEM FEITO. Triste pensar que as pessoas investem tanto no sonho de morar fora sem saber que o morar fora pode não trazer a qualidade de ensino desejada.

Depois de correr pra gente fazer os exercícios logo, ela entregou MAIS UMA folha de exercícios....

Após o intervalo, achei que teríamos aula com o outro professor - o que geralmente acontece nas escolas daqui. Só que ao invés de ocorrer essa troca, eles fizeram o seguinte: segundas e quintas com o professor X; terças e quartas com o professor Y. Aí pensei: "mais duas horas? não vou aguentar..."

A segunda parte foi menos pior.

Notei que a professora não tinha sotaque irlandês - aliás, ele soava levemente britânico e perguntei de onde ela era. Ela respondeu que é de Donegal, no norte da República da Irlanda. Só que o norte daqui já é fronteira com a Irlanda do Norte, que faz parte do Reino Unido, e pela lógica, tem o sotaque britânico predominante.


Aí ela deu um listening que não tinha nada a ver com modal verbs - até aí, ok. Depois, emendou uma discussão sobre um assunto que não tinha nada a ver nem com a primeira aula, nem com o tal do listening. Ai, deus!

Achei a professora mal preparada e bem fraca. no meio de um exercício X, perguntei uma coisa que eu já sabia, mas queria ver como ela explicaria (testando professor, coisa que eu odiava que fizessem comigo...). Enrolou aqui, enrolou ali, deixou resposta dúbia... UÉ, ELA NÃO É IRLANDESA E TEM COMO LÍNGUA MÃE O INGLÊS? Ai, como eu queria que o mundo percebesse que ser nativo não significa ser professor. A propósito, minha pergunta foi sobre algo relativamente simples. Na correção dos exercícios, ela parecia meio atrapalhada e recorreu às respostas no final do livro. Tsc tsc.

Na saída, conversando com o pessoal da sala, foi quase unânime que eles gostavam das aulas dessa professora.

Ok, então.
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top