Singapura - curiosidades e restaurante Michelin!

/

No nosso segundo dia em Singapura, acordamos cedo pra ir pra Arab Street e região, onde encontramos muitas lojas vendendo tecidos e artigos árabes absolutamente maravilhosos - pena que tínhamos restrição de peso na mala!

De lá, andamos até a região de Little India - na verdade, as duas grandes etnias que compõem Singapura são os chineses e indianos. Então você pode ir pra bairros específicos que possuem toda uma arquitetura e estilo conectado à etnia do local, e é muito legal poder se sentir visitando um novo país dentro de um país. Apesar de que tenho certeza que a Little India de Singapura é muito mais ocidentalizada e organizada do que a Índia de verdade!

Vimos muitas casinhas coloridas lindas, tiramos muitas fotos, almoçamos e pegamos o metrô pra perto da região da Marina Bay, onde ficava o Museum of Asians Civilisations.


Chegando em Singapura e os jardins mais lindos do mundo

/

Singapura foi o nosso segundo país asiático na viagem que fizemos em março/abril deste ano (e não acredito que tô levando mais de 6 meses pra falar de tudo, mas a vida anda corrida, fazer o quê?). Confesso que era um dos lugares que eu mais tinha interesse em conhecer: uma cidade-Estado com um dos maiores índices de desenvolvimento na Ásia, quatro línguas oficiais, espaços urbanos misturados com vegetação e natureza... e Singapura atingiu todas as nossas expectativas, que país incrível!

Já começando pelo aeroporto: super espaçoso, com vários jardins internos, plantas, a coisa mais linda! Pegamos um ônibus que nos levou até a estação de metrô, mas a fila pra comprar o bilhete tava enorme e nos atrapalhamos um pouco porque não tínhamos 3G no celular. Optei por não comprar o chip com dados por lá porque era muito caro e efetivamente só ficaríamos 2 dias por lá. Então fui na fé de que teria wifi nos lugares - e sim, teve - mas ao chegar na estação de metrô nos demos conta de que não tínhamos as direções para ir até o hotel.

Tipo, nós tínhamos o endereço do hotel, mas não sabíamos onde descer. Então tentando usar o google maps sem estar 100% funcionando corretamente e seguindo nossa intuição, não só conseguimos descer na estação certa como andamos ali uns 15 minutos também na direção certa pro hotel.


O último trimestre

/

Finalmente outubro chegou! Essa é a minha fase preferida do ano: feriado na Irlanda, outono e inverno, aniversário do R., meu aniversário, Natal, Ano Novo, uns dias de férias, tempo de reflexão e renovação!

Obviamente que esse outubro tem sido mais pesado do que nos últimos anos - essas eleições no Brasil estão tirando a alegria e o sono de muita gente, e estou assustada com o que tenho lido por aí. Felizmente pude votar no primeiro turno e contribuir um pouco com a democracia do meu país, mas estou muito decepcionada com os resultados da votação no geral e aqui na Irlanda especificamente. Aqui, o candidato Ciro Gomes ganhou por apenas três pontos de diferença do coiso, três! Fora isso, ouvi umas conversas de alguns alunos pelos corredores da escola que me deram frio na espinha. Não imaginava que tinha tanto brasileiro reaça por aqui, que decepção!

Fora esse momento político preocupante, a minha vida vai muito bem. Minha alergia melhorou 99% (mas ainda não tá 100% então mal posso esperar pra ir pro Brasil ano que vem consultar um dermatologista de verdade), o clima ainda não está chuvoso o suficiente pra eu me arrepender de ir trabalhar de bicicleta, e o trabalho tem sido bem bacana. Nos últimos meses me dividi entre as minhas turmas fixas no período da tarde e substituições/turmas de adolescentes temporárias no período da manhã. No momento estou somente no período da tarde, mas pro ano que vem tenho planos de mudar um pouco isso, pois as contas não se pagam sozinhas, né?

Fonte

Durian e floresta tropical em plena Kuala Lumpur

/

Antes de terminar de contar sobre nossos dias em Kuala Lumpur, na Malásia, preciso contar também sobre a fruta mais controversa da história e de sua presença no sudeste asiático: o durian. O durian é chamado de  "king of fruit" não só pelo seu tamanho enorme, tipo uma jaca, mas também pela sua fama: uns o amam, outros o odeiam.

E de fato, o durian é uma fruta absolutamente sem igual. O cheiro é muito, mas muito marcante. Andando pelas ruas de qualquer cidade no sudeste asiático você sente o odor, e não pense que é um cheiro bom de fruta não.

Meu primeiro contato com o durian foi quando um colega vietnamita do mestrado trouxe um doce feito com durian pra nós provarmos - como sou chegada num doce e adoro provar comidas de outros países, lá fui colocando o bendito inteiro na boca... e olha, eu sou dessas que como de tudo, até pedra eu como se tiver que comer. Mas gente, na primeira mordida eu me arrependi de colocar o negócio inteiro no boca. Mastiguei, mastiguei, e a vontade de vomitar tava insuportável. Peguei um guardanapo, e quando ninguém olhava cuspi o doce no guardanapo e fui pegar uma bebida pra tentar apaziguar o gosto. Meu, eu ainda senti o gosto dessa fruta na boca por dias!!!!

Kuala Lumpur, as torres Petronas e cavernas místicas

/

Nosso primeiro dia na Malásia foi super estranho. Chegamos no fim da tarde, e já tínhamos um motorista arranjado pra nos pegar no aeroporto, que fica a 1h de distância de KL. O motorista foi indicação de um amigo do R. que foi pra lá recentemente e foi uma mão na roda pra nos safar de possíveis golpes. Já na saída do aeroporto comprei um chip de celular pra poder falar com o cara pelo WhatsApp e deu tudo certo (muitos lugares em KL tem wi-fi anyway).

Estávamos cansados, mas ficamos acordados, fomos comer uma coisinha perto do hotel e até conseguimos dormir rápido. Masss, eu acordei as 4h e não conseguia mais dormir. Lá pelas 6h o chamado da reza muçulmana começou e o R. acordou também. Ficamos conversando na cama e umas 8h pegamos no sono novamente, pra acordar finalmente as 12h.

Eu nunca tinha sentido jeito lag de fato e o negócio é punk mesmo!

Primeiras impressões: Malásia

/

Eu não sabia o que esperar da Malásia. Quer dizer, já tinha lido a respeito, visto umas fotos da capital e só. A verdade é que Kuala Lumpur é um major hub de voos no sudeste asiático, então não tinha como não passar por ali.

O plano inicial era ter ido pra Singapura primeiro, mas como a acomodação em KL seria mais barata e ficaríamos lá pelo menos um dia a mais por causa do jet lag, foi a escolha mais acertada. Mas não que tenha sido confortável! O hotel onde ficamos ficava numa rua super esquisita e o quarto era ultra, hiper, mega pequeno. Literalmente andamos por cima das malas pra conseguir sentar/deitar na cama. Não foram dias legais nesse sentido, ainda mais do jet lag do voo, mas a gente sabia no que estávamos nos metendo e fomos com a cara e a coragem.

Numa próxima viagem assim, acho que vou preferir gastar um pouco mais e ficar num hotel mais confortável, principalmente depois de um voo longo, jet lag e tal. Acho que os euros a mais compensam!


O que não falta aqui é castelo

/

Esse ano eu e o R. completamos 5 anos de namoro. Cinco anos! Apesar de não ter sido proposital, nossa grande viagem pra Ásia calhou de ser na mesma época do nosso aniversário de namoro, então meio que deixamos isso como a comemoração.

Mas na verdade nós voltamos pra Dublin um mês antes da ''data oficial'', então resolvemos fazer alguma coisa pra não passar a data em branco. Pensamos em sair pra jantar, mas depois resolvemos passar um dia fora no interior, fazia meses que não íamos pra nenhum lugar diferente na Irlanda e achamos um hotel superbacana em Carlow por um preço bem ok e lá fomos nós.

O hotel em si foi super legal, e depois de aproveitar bastante, quando fizemos o check out no outro dia seguimos pra um castelo que fica ali na região. Aliás, reservamos esse hotel especificamente justamente porque poderíamos conhecer o castelo no dia seguinte!

Em termos de distância de Dublin, dá mais ou menos 1h e meia de carro e  o castelo se chama Huntington.

castelo de Huntington irlanda

Halong Bay

/

Um dos lugares que queríamos muito conhecer no Vietnã era Halong Bay. Quer dizer, mais ou menos. A verdade é que esse lugar é altamente turístico, muito visitado, e nem sempre as empresas que fazem os tours por lá são bacanas. Lemos muito relato de barco zoado, passeio rum, mal organizado.

E também ficamos na dúvida do que exatamente fazer, porque existe a opção de dormir no barco e explorar mais a região ou ir e voltar num dia só. Os barcos saem de um porto que fica a quase 3 horas de Hanói, então é beeeem longe. Lemos muito sobre esse passeio e outras opções de passeios e paisagens parecidas com a de Halong Bay, e no fim, por conselho de uma amiga que fez o bate-e-volta em Halong Bay, fizemos igual.

Há muitas empresas que fazem o passeio e os preços variam muito. A gente não queria nada fancy, mas não queria nada mequetrefe, então fomos com a agência que minha amiga indicou. Eles tinham um escritório em Hanói perto do nosso hotel e conseguimos fechar tudo lá. O passeio inclui a van/ônibus que te pega no hotel e leva até o porto, o barco, almoço, passeio de caiaque, etc. Achamos o preço bem justo pelo que eles oferecem e no dia seguinte bem cedo eles nos pegaram no hotel.


Saigon e mais sobre a história do Vietnã

/

Nuns posts atrás eu falei sobre como foi surreal ver o corpo embalsamado do Ho Chi Minh e de como o líder vietnamita é querido e respeitado no país. Quando chegamos na cidade que leva seu nome, pudemos entender um pouco mais do porquê e como esse cara se tornou esse ícone.

Primeiro que o Ho Chi Minh tem essa coisa de deus/imortal porque desde os anos 50 o regime Comunista sempre o glorificou e usou a propaganda pra elevá-lo a esse status. Dizem que ele era celibato, e publicações que dizem o contrário são banidas no Vietnã, justamente pra preservar essa imagem de pai da nação, pai da revolução, um homem celibato pela revolução, etc. 

Fomos num museu com uma exposição interessantíssima e toda poética sobre a vida dele como líder, várias frases ditas por ele, países por onde ele passou, etc. Eu, que não sabia quase nada sobre ele, fiquei bem satisfeita por ter aprendido tanto nos poucos dias em que estivemos por lá. Sem dúvida um dos pontos altos dessa viagem!


Summer Principal verão 2.0

/

Quando fui contratada pra trabalhar na escola onde trabalho atualmente, logo na entrevista já tinham comentado sobre a possibilidade deu trabalhar como coordenadora de uma das filiais de verão da escola. Topei, fiz o trabalho, mas não foi nada fácil e eu meio que tinha jurado pra mim mesma que não faria de novo - foi um período estressante, cansativo, frustrante, e eu não queria ter que passar por aquilo de novo.

Voltei pra sala de aula e ali fiquei belíssima. Na sala de aula é onde estou feliz, ajudando os alunos, interagindo, fazendo o que sei fazer de melhor.

Quando foi em fevereiro desse ano, a gerente do RH me chamou pra uma conversa e perguntou se eu tinha interesse em trabalhar como summer principal novamente, no mesmo lugar, por um período de oito semanas. Confesso que a princípio eu só queria correr e dizer "me deixem quietinha dando aula!", mas, pedi um tempo pra pensar e ponderar e teríamos uma nova conversa em poucos dias.



Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top