O dia em que caí da bicicleta

/

Se você me acompanha há bastante pelo tempo pelo blog, deve ter notado que a frequência de posts caiu bastante. Eu amo postar no blog, e mesmo que tenha poucas visualizações, gosto do meu espacinho na internet, do meu diário virtual. E como comentei nuns posts atrás, minha primeira semana como coordenadora de uma escola de verão foi muito, muito, mas muito estressante mesmo. Então eu não tava muito boa, não tinha inspiração nem tempo nem vontade de fazer nada que não fosse relacionado ao trabalho.

E a verdade é que apesar da segunda semana ter sido um pouquinho melhor, a terceira semana começou ultra estressante. Acordei na segunda um pouco mais cedo do que de costume justamente pra chegar mais cedo na escola pra algum imprevisto, e de fato, assim que desliguei o alarme vi que tinha duas mensagens de professores dizendo que precisariam faltar naquele dia.

Foi um pulo da cama e um berro ''for fuck's sake''. O R. até assustou, já pensou o pior, tadinho. Levantei da cama e já entrei em contato com minha chefe. Enquanto me arrumava pro trabalho, ela ia me mandando números de pessoas que talvez pudessem cobrir. Liguei pra três e nenhum podia. Não tive nem vontade de tomar café. Só peguei a bike e fui pro trabalho correndo - a sorte foi que quando cheguei lá vi uma mensagem da chefe dizendo que tinha arrumado uma pessoa e que ele já tava vindo ao meu encontro. Mesmo assim tive que cobrir uma aula e foi uma mega loucura a manhã toda. À tarde tive que correr atrás do prejuízo e cheguei em casa abalada, cansada, estressada, chateada, todos os ''ada'' que você imaginar.


Bruges, um verdadeiro encanto

/

Todo mundo que conheço já que foi pra Bruges volta falando mil maravilhas, que a cidade é uma graça, etc, etc. E de fato, muita gente que vai pra Bélgica acaba fazendo esse circuito Bruxelas-Ghent-Brugge porque as distâncias são curtas. Pegamos um trem saindo da estação central de Bruxelas e em aproximadamente 1 hora chegamos na pequena Bruges - o ingresso custou uns 12 euros ida e volta, não me lembro bem.

Bruges é uma cidade pequena, com pouco mais de 100 mil habitantes. Seu centro histórico foi tombado como patrimônio da UNESCO e seus canais (parecidos com os de Amsterdã) deram à cidade o apelido de "a Veneza do Norte".

Eu tinha altas expectativas pra conhecer Bruges e não me decepcionei nem um pouco. Que cidade mais gracinha, fotogênica, agradável... sim, tava bem mais cheia do que imaginávamos. Eram turistas e turistas a perder de vista, mas você com certeza vai achar uma ruazinha tranquila pra tirar suas fotos sem interrupções. O fato é que apesar de ser super popular, Bruges pra mim consegue manter seu charme, tanto nas ruas mais movimentas com lojas, cafés e restaurantes, como nas ruas mais afastadas do centrinho principal.

bruges belgica verao

Nível máximo do stress (ou como foi minha primeira semana como coordenadora)

/

Hoje eu completo uma semana trabalhando como Centre Principal num dos centros de verão que a escola para qual trabalho abre todo ano. E como tem sido essa semana?

Bem, primeiro que quero dizer que ontem, meu 6º dia trabalhando nessa posição, foi o primeiro dia em que realmente sai do escritório no meu horário, o que já diz muita coisa, certo? A verdade é que a primeira semana foi um verdadeiro caos - parecia que tratores e caminhões passavam por cima de mim absolutamente todos os dias. Eu começava mais cedo, saia mais tarde, trabalhava de casa à noite, no fim de semana... foi tão estressante tão rapidamente que eu chegava em casa chorando absolutamente todos os dias.

Não foi fácil. Mesmo. Não só porque eu nunca havia desempenhado essa função, mas também porque não estou familiarizada com todos os processos da escola. Mas o problema maior mesmo, aquele que tirou meu sono - literalmente - foi a falta de professores.

Mas já que falei em sono, vamos falar sobre sono? Cara, que coisa estranha o nosso corpo. Eu estava cansada todo dia, morta, com dores no corpo e queria muito dormir, descansar. Mas não conseguia. Acordava várias vezes ao longo da noite e em umas duas ou três noites acordei lá para as 4 da manhã e não consegui mais dormir. Simplesmente não conseguia. Então além do estresse pelo que estava passando na escola, ficava com medo de ir dormir e não conseguir dormir.


De volta à Bruxelas - com muita comida sim senhor!

/

A primeira vez em que estivemos em Bruxelas foi em dezembro de 2014 pra comemorar o meu aniversário e nos surpreendemos (positivamente) demais com a cidade. Apesar de já ser inverno, tava um clima super gostoso, uma atmosfera legal, comemos super bem e vimos várias coisas legais.

Corta pra 2017: tenho amigas morando pela Europa e vínhamos tentando nos encontrar desde o ano passado. Como uma delas mora perto de Amsterdã e a outra em Stuttgart, tentamos encontrar um destino que fosse bacana pra nós três... e de fato, fizemos uma lista de destinos legais, lugares para os quais nenhuma de nós tinha ido antes e tal, mas infelizmente, os vôos não estavam colaborando. Se era barato pra uma, não era bom pras outras. Se o preço era bom, os horários eram ingratos.

Então quando vimos que Bruxelas oferecia bons horários e preços - e a possibilidade delas irem de trem se quisessem, não pensamos duas vezes e fechamos. Não foi fácil achar um fim-de-semana prolongado que desse pra todo mundo porque a Irlanda, Alemanha e Holanda tem feriados diferentes, mas tínhamos o feriado do começo de junho em comum, ufa!

bruxelas verão belgica

Italiano: tô presa no platô do intermediário!

/

Em fevereiro desse ano eu compartilhei a notícia de como estava feliz em voltar à estudar italiano formalmente depois de tanto tempo e obviamente estava super empolgada em distrair a mente, voltar a aprender um idioma novo, conhecer gente nova, etc. Mas será que foi tão bom assim?

A verdade é que amo esse idioma, mas tenho muito mais dificuldade em evoluir do que jamais tive em inglês. Quando me perguntam coisas do tipo "o que foi mais difícil aprender em inglês?" eu simplesmente não sei o que dizer, e não é porque sou metida ou coisa parecida. Eu não lembro de ter dificuldade alguma em aprender inglês. Nunca estudava pra prova, fazia lição de casa correndo só por fazer, e mesmo assim, tinha excelentes notas e entendia tudo o que os professores falavam. Em pouco tempo, com a ajuda de ouvir muito Backstreet Boys na vida, meu listening foi ficando excelente e logo eu tava assistindo filmes e séries sem legenda e lendo os livros do Harry Potter na língua original.

E de fato, se for parar pra pensar, tenho contato com italiano desde meados de 2007, 2008, quando comecei a acompanhar Laura Pausini depois de ter redescoberto a cantora meio que sem querer. Não sei se já falei aqui no blog, mas lembro de ver ela cantando "Strani Amori" um dia na TV e me deu um clique e uma sensação bizarra de tipo "caraaaa, eu consigo entender tudo". Ainda lembro daquela sensação, quando ela falava "Ma sapevo che era una bugia" eu simplesmente sabia que a frase significava "mas sabia que era uma mentira". É muito estranho explicar, mas desde então passei a ter interesse na língua: primeiro, estudando sozinha, pela internet. Fazia uns cursos grátis, traduzia as músicas da Laura, comparava as versões das músicas em italiano e espanhol e isso me ajudou muito com vocabulário. Depois fiz aulas em alguns lugares diferentes e aqui na Irlanda cheguei a fazer umas aulas online também.


Um dia na capital do mundo

/

Londres é uma cidade realmente fantástica, que todo mundo deveria conhecer um dia. Sei que posso estar exagerando, que a Bárbara adolescente deve estar falando na minha orelha sobre os seriados e filmes e todas as inspirações dessa cidade em sua vida, mas o fato é que Londres é Londres.

A primeira vez que pisei nessa cidade, em 2014, me apaixonei e sabia, no fundo do coração, que um dia voltaria. Na época eu ainda não tinha certeza de nada em relação ao meu visto aqui em Dublin, mas não tem jeito, tem coisas que a gente não sabe explicar, só sentir. E sim, tô mega brega, romântica e clichê nesse post porque não tem como não ser!

Como íamos visitar a terra da rainha para o show do John Mayer, aproveitamos e passamos o dia seguinte todinho lá. Não ficamos o fim de semana todo por motivos de: acomodação cara. Meu, como acomodação é caro nesse lugar! No fim, também achamos melhor voltar sábado pra termos domingo pra descansar em casa antes de começar mais uma semana de trabalho...

Ah, um ps importante antes de continuar: como fomos pra Londres exclusivamente pro show e não podia entrar com câmera lá, nem levei minha Nikon. Então todas as fotos do show - e do dia seguinte, que conto nesse post - foram tiradas com meu celular mesmo!


Trabalho novo de novo

/

Tudo começou em meados de abril/maio. Eu tava naquela rotina de trabalhar em duas escolas, indo de um lado pro outro e querendo muito, muito, trabalhar num lugar só. Não foi por falta de tentativas: tive conversas e reuniões com meus diretores das duas escolas e mesmo assim, não havia nenhuma oportunidade de trabalho full-time pra mim em nenhuma das escolas, então resolvi começar do zero e procurar uma nova posição em uma nova escola.

Pra ser sincera, não foi difícil. Essa época de abril e maio é excelente pra se achar empregos como professor de inglês em Dublin, mas infelizmente, a maioria dessas vagas é apenas part-time ou temporária, o que eu definitivamente não queria. Mas aí olhando uma vaga aqui e outra ali, achei um anúncio de uma escola excelente cuja diretora eu já havia conhecido em outras ocasiões e eles procuravam professores tanto pro verão como para o resto do ano.

Não hesitei. Atualizei meu currículo e minha cover letter e escrevi pra J., diretora da escola. Em pouco tempo ela não só me respondeu super contente deu ter mandado meu CV, mas me chamando para uma entrevista. A entrevista na verdade acabou sendo mais uma conversa mesmo, porque ela não me perguntou nada do que costuma-se perguntar em entrevistas de emprego. Foi meio que um bate-papo informal pra saber se eu aceitaria a vaga mesmo ou não.


Show do John Mayer em Londres

/

Eu nunca fui dessas pessoas que viaja pra ver shows. Aliás, nunca fui muito de shows não, apesar de já ter ido em alguns nesses meus quase 30 anos. A única cantora que sempre fiz questão de ver foi a Laura Pausini, mas morando no Brasil isso nunca foi difícil porque ela sempre faz show lá. Morando aqui na Europa tive a oportunidade - e sorte! - de ter visto essa diva duas vezes: em 2013 em Roma e 2016 em Milão.

Este ano várias bandas e cantores legais haviam anunciado shows aqui em Dublin, mas a gente sabe que comprar ingresso aqui pelo TicketMaster é um parto. Praticamente impossível mesmo. Tanto é que quando o U2 anunciou turnê em julho, pagamos bem caro pelo ingresso porque não conseguimos comprar diretamente pela TicketMaster.

Ed Sheeran também anunciou shows mas pra esse não conseguimos de jeito nenhum. Mas foi na mesma época em que nosso cantor preferido, John Mayer, estava lançando álbum novo e prestes a contar quando e onde faria shows da nova turnê.

Já sabíamos que não ia ter show dele aqui na Irlanda, mas Londres seria uma oportunidade, então assinei o feed do facebook do cantor pra saber quando ele anunciasse as datas. E pra nossa sorte, o show de Londres aconteceria justamente numa sexta-feira, o que nos possibilitaria ir pra lá! Fizemos simulações de preços de vôos e acomodação (sempre o que faz um rombo no orçamento de uma viagem à Londres) e vimos que dava pra ir.

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top