Kuala Lumpur, as torres Petronas e cavernas místicas

/

Nosso primeiro dia na Malásia foi super estranho. Chegamos no fim da tarde, e já tínhamos um motorista arranjado pra nos pegar no aeroporto, que fica a 1h de distância de KL. O motorista foi indicação de um amigo do R. que foi pra lá recentemente e foi uma mão na roda pra nos safar de possíveis golpes. Já na saída do aeroporto comprei um chip de celular pra poder falar com o cara pelo WhatsApp e deu tudo certo (muitos lugares em KL tem wi-fi anyway).

Estávamos cansados, mas ficamos acordados, fomos comer uma coisinha perto do hotel e até conseguimos dormir rápido. Masss, eu acordei as 4h e não conseguia mais dormir. Lá pelas 6h o chamado da reza muçulmana começou e o R. acordou também. Ficamos conversando na cama e umas 8h pegamos no sono novamente, pra acordar finalmente as 12h.

Eu nunca tinha sentido jeito lag de fato e o negócio é punk mesmo!

Primeiras impressões: Malásia

/

Eu não sabia o que esperar da Malásia. Quer dizer, já tinha lido a respeito, visto umas fotos da capital e só. A verdade é que Kuala Lumpur é um major hub de voos no sudeste asiático, então não tinha como não passar por ali.

O plano inicial era ter ido pra Singapura primeiro, mas como a acomodação em KL seria mais barata e ficaríamos lá pelo menos um dia a mais por causa do jet lag, foi a escolha mais acertada. Mas não que tenha sido confortável! O hotel onde ficamos ficava numa rua super esquisita e o quarto era ultra, hiper, mega pequeno. Literalmente andamos por cima das malas pra conseguir sentar/deitar na cama. Não foram dias legais nesse sentido, ainda mais do jet lag do voo, mas a gente sabia no que estávamos nos metendo e fomos com a cara e a coragem.

Numa próxima viagem assim, acho que vou preferir gastar um pouco mais e ficar num hotel mais confortável, principalmente depois de um voo longo, jet lag e tal. Acho que os euros a mais compensam!


O que não falta aqui é castelo

/

Esse ano eu e o R. completamos 5 anos de namoro. Cinco anos! Apesar de não ter sido proposital, nossa grande viagem pra Ásia calhou de ser na mesma época do nosso aniversário de namoro, então meio que deixamos isso como a comemoração.

Mas na verdade nós voltamos pra Dublin um mês antes da ''data oficial'', então resolvemos fazer alguma coisa pra não passar a data em branco. Pensamos em sair pra jantar, mas depois resolvemos passar um dia fora no interior, fazia meses que não íamos pra nenhum lugar diferente na Irlanda e achamos um hotel superbacana em Carlow por um preço bem ok e lá fomos nós.

O hotel em si foi super legal, e depois de aproveitar bastante, quando fizemos o check out no outro dia seguimos pra um castelo que fica ali na região. Aliás, reservamos esse hotel especificamente justamente porque poderíamos conhecer o castelo no dia seguinte!

Em termos de distância de Dublin, dá mais ou menos 1h e meia de carro e  o castelo se chama Huntington.

castelo de Huntington irlanda

Halong Bay

/

Um dos lugares que queríamos muito conhecer no Vietnã era Halong Bay. Quer dizer, mais ou menos. A verdade é que esse lugar é altamente turístico, muito visitado, e nem sempre as empresas que fazem os tours por lá são bacanas. Lemos muito relato de barco zoado, passeio rum, mal organizado.

E também ficamos na dúvida do que exatamente fazer, porque existe a opção de dormir no barco e explorar mais a região ou ir e voltar num dia só. Os barcos saem de um porto que fica a quase 3 horas de Hanói, então é beeeem longe. Lemos muito sobre esse passeio e outras opções de passeios e paisagens parecidas com a de Halong Bay, e no fim, por conselho de uma amiga que fez o bate-e-volta em Halong Bay, fizemos igual.

Há muitas empresas que fazem o passeio e os preços variam muito. A gente não queria nada fancy, mas não queria nada mequetrefe, então fomos com a agência que minha amiga indicou. Eles tinham um escritório em Hanói perto do nosso hotel e conseguimos fechar tudo lá. O passeio inclui a van/ônibus que te pega no hotel e leva até o porto, o barco, almoço, passeio de caiaque, etc. Achamos o preço bem justo pelo que eles oferecem e no dia seguinte bem cedo eles nos pegaram no hotel.


Saigon e mais sobre a história do Vietnã

/

Nuns posts atrás eu falei sobre como foi surreal ver o corpo embalsamado do Ho Chi Minh e de como o líder vietnamita é querido e respeitado no país. Quando chegamos na cidade que leva seu nome, pudemos entender um pouco mais do porquê e como esse cara se tornou esse ícone.

Primeiro que o Ho Chi Minh tem essa coisa de deus/imortal porque desde os anos 50 o regime Comunista sempre o glorificou e usou a propaganda pra elevá-lo a esse status. Dizem que ele era celibato, e publicações que dizem o contrário são banidas no Vietnã, justamente pra preservar essa imagem de pai da nação, pai da revolução, um homem celibato pela revolução, etc. 

Fomos num museu com uma exposição interessantíssima e toda poética sobre a vida dele como líder, várias frases ditas por ele, países por onde ele passou, etc. Eu, que não sabia quase nada sobre ele, fiquei bem satisfeita por ter aprendido tanto nos poucos dias em que estivemos por lá. Sem dúvida um dos pontos altos dessa viagem!


Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top