Bósnia e Herzegovina #2 - Imigração na fronteira e Medjugorje

/

A Bósnia e Herzegovina é um país remanescente da antiga Iugoslávia, fazendo fronteira com a Croácia, Sérvia e Montenegro cuja capital é a famosa Sarajevo - duvido você ter crescido nos anos 90 sem ter ouvido falar dessa cidade.

Aliás, uma pausa. Eu pessoalmente, não só cresci nos anos 90 mas também cresci com a trilha dos cds de rock do meu pai tocando alto no fim de semana. Então a Bósnia sempre me remeteu à belíssima Miss Sarajevo do U2. Essa música veio a partir de um documentário de Bill Carter sobre um concurso de beleza que aconteceu enquanto a guerra tava rolando. O diretor desse comentário foi pra Sarajevo no inverno de 1993 oferecer ajuda humanitária e se viu no meio do conflito, ficando lá por seis meses sobrevivendo de comida de bebê ou qualquer coisa que ele achasse. Aí ele sugeriu que Bono fizesse fizesse um outro documentário sobre a Bósnia e Bono aceitou. Ele não só ajudou a produzir, como também custeou um doc sobre um movimento de resistência à guerra no país. 

E a música é linda, ainda mais com a participação emocionante do Pavarotti no final. É de chorar mesmo! Então essa história toda ficou na minha cabeça o tempo todo e eu queria muito, MUITO ter ido pra Sarajevo também, mas como a capital fica bem longe de Mostar, que era o nosso destino principal por lá, vai ficar pra uma outra vez.

Bósnia e Herzegovina #1 - As cataratas de Kravica

/

Quando eu e R. pensamos em ir pra Croácia, meio que já havíamos decidido que aproveitaríamos a deixa pra conhecer também a Bósnia, que faz fronteira com o país. O destino que tínhamos em mente era Mostar, mas no fim acabamos surpreendidos por essa belezura de catarata no meio do caminho.

No dia antes de irmos pra Mostar dei uma última olhadinha no Trip Advisor pra pegar umas dicas e acabei clicando num link tipo as melhores 10 coisas pra se fazer na Bósnia. E aí que essas cataratas aparecerem por lá e fiquei curiosa. Ela ficava bem no meio do caminho entre Split e Mostar, então era uma desculpa perfeita pra visitar, né?

Masss não achei muitas informações na internet sobre ela. Li uns posts de blogs gringos de 5, 7 anos atrás comentando o quão linda - e difícil de achar - a tal da Kravica era. Que não tinha placa indicando nada, que ninguém sabia explicar onde era, que o lugar era no meio do mato, mas que valia muito a pena, que era um pequeno paraíso... vi até gente comparando Kravica com Foz do Iguaçu - no sentido de que a configuração das cachoeiras era parecida (a da Bósnia com um volume de água muito menor, claro). Então ficamos um pouco apreensivos mas tentamos buscar o máximo de informações que pudemos, dei print screen no celular e fomos!

kravica cataratas waterfall bosnia

Croácia #3 - Dubrovnik

/

Ir pra Croácia e não conhecer Dubrovnik seria como ir à Londres e não ver o Big Ben. Pelo menos isso era o que pensávamos, mas será que é 100% verdade?

O fato é que eu já vou começar esse post dizendo que sim, nós gostamos da cidade mais visitada da Croácia, mas Dubrovnik é mega, ultra, superestimada e cara. Nós não esperávamos isso já que a acomodação ficou num preço super ok, mas foi só adentrar os portões da old town pra perceber que se você não toma cuidado, gasta rios de dinheiro naquela cidade.

Claro, a old town é realmente impactante: as construções são lindas, aquele chão de mármore é maravilhoso a ponto de parecer que alguém o pole cuidadosamente todos os dias e a vista da muralha é digna de cartão-postal, mas acho que se não tivéssemos conhecido Split dois dias antes, teríamos tido uma surpresa maior. Eu andei perguntando à algumas pessoas que conheceram tanto Split como Dubrovnik e foram categóricos ao dizer que preferiram Split, assim como nós.

dubrovinik croacia primavera

Croácia #2 - Split

/

Nossa viagem de Plitviče pra Split foi um pouco longa e chegamos na cidade bem tarde, mas o caminho valeu demais. Acabamos dirigindo pelo "interior" do país e passamos por várias, dezenas de cidades e vilarejos croatas. O que mais nos intrigou é que muitos desses vilarejos pareciam totalmente abandonados. Quer dizer, alguns nem tanto, porque víamos algumas roupas secando nos varais, carros estacionados, mas nenhuma alma viva pra contar história. Chegamos a passar mais de hora sem ver absolutamente ninguém pelo caminho!

Fui ler um pouco a respeito e muito disso tem a ver com invasões durante a 2ª Guerra Mundial e também as Guerras na Iugoslávia nos anos 90 - mas falarei mais disso num outro post. O fato é que sim, muitas cidadezinhas e vilas estão meio desertas ou abandonadas. Sei que vai parecer totalmente creepy, mas R. e eu ficamos tão curiosos e fascinados que ficamos com vontade de descer em uma delas pra ver melhor, mas como estava ficando tarde, continuamos na estrada com destino a Split.

Achar o nosso hotel foi super fácil e ficamos surpresos com o quão perto do centro histórico estávamos. Tipo, como compramos as passagens e reservamos os hotéis em Janeiro, nem lembrávamos direito onde ficaríamos e a surpresa foi ótima. Porque é assim: se você tá indo pra Split, o burburinho, as atrações, tá tudo ali no centrinho histórico, então ficar hospedado ali é vantagem demais.

Croácia #1 - Os lagos e cachoeiras de Plitviče

/

A primeira vez que vi uma foto desse lugar (em croata, Plitvička Jezera) foi quando uma amiga que morava na Irlanda (quando eu ainda estava no Brasil, se não me engano) foi pra lá e postou fotos maravilhosas no instagram dela. Eu nunca tinha ouvido falar de tal lugar e fiquei maravilhada com o tamanho das cachoeiras e aquele azul/verde absolutamente maravilhoso da água.

Já que não tínhamos planos de voltar pra Croácia tão cedo, sabíamos que essa maravilha da natureza não podia passar batido e tratamos de incluir um passeio à esse lugar no nosso roteiro. Do aeroporto de Zadar levamos cerca de 2 horas até chegar lá - é que apesar do Google Maps garantir que o percurso leva menos de 1h e meia, o R. tava se acostumando com o carro, dirigir do outro lado da estrada, etc, etc. Fora que paramos no caminho pra tomar café, então chegamos no parque lá pro meio-dia.

Ao chegar, você pode parar o carro no estacionamento e comprar os ingressos, que custaram 110 kunas (em torno de 14 euros) cada. Você pode obviamente ficar lá o dia todo até fechar (19h00), além de poder também comprar a opção do ticket pra dois dias, que acaba saindo um pouco mais barato. Aí você me pergunta: e vale a pena ficar nesse parque por dois dias? Olha, depende. Se você curte muito natureza e se tem mais tempo, acho que vale a pena sim. Nós só ficamos uma tarde e conseguimos ver os lagos principais, mas não tivemos muuuito tempo de contemplar tudo não.

Viagem pela Croácia & Bósnia e Herzegovina: os meus primeiros Balcãs

/

Conhecer esses dois países nos Balcãs (região sudeste da Europa que engloba totalmente a Albânia, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Macedônia, Montenegro e Kosovo AND parcialmente a Croácia, Grécia, Itália, Romênia, Sérvia, Eslovênia e Turquia) não era uma super prioridade na minha lista de viagens, mas eu devia uns dias de sol pro R. É que nos últimos dois anos fizemos viagens de inverno pra lugares de inverno em pleno inverno (Noruega em 2015 e Finlândia em 2016) e ele me fez prometer que iríamos pra lugares quentes em 2017. Como você já deve saber, eu amo frio, mas o R., como bom irlandês, ama calor! Então assim que entrou 2017 e começamos a planejar nossas viagens pro ano, eu sabia que teríamos que passar calor em algum lugar nos meses de verão.

E de fato, compramos passagens pra um destino maravilhoso em agosto, mas como ainda era janeiro, ia demorar demaissss. Resolvemos então fazer uma mini-viagem aproveitando o feriado de maio e pegando dois dias de folga pra emendar e assim a Croácia surgiu em nossas vidas.

Eu já sabia de algumas possíveis atrações pra conhecer por lá, mas logo vimos que não seria conhecer tudo assim pois os lugares eram muito longe uns dos outros. A opção de alugar um carro entrou em jogo, principalmente depois que checamos os preços e vimos que dava pra fazer um roteiro legal por um preço que cabia no bolso.

O Castelo de Athlone

/

No feriado de páscoa resolvemos conhecer mais alguns condados que faltavam pra eu visitar e a escolha para Westmeath tinha sido um parque lindo chamado Belvedere House Gardens & Park. No entanto, o clima não estava nada bom, chovia bastante e achamos que ir pra parque pra tomar chuva na cabeça não era a melhor das ideias... por isso, entrou em ação o plano B e seguimos pra Athlone.

athlone castle

Athlone é a maior cidade do condado de Westmeath e fica no coração da Irlanda. Por conta de sua localização estratégica, é lá que fica um dos centros de seleção e redirecionamento de todas as encomendas e cartas na Irlanda! A cidade tem uma população de aproximadamente 20 mil habitantes.

O castelo de Athlone fica à beira do rio Shannon e foi construído para o Rei João pelo Bispo John de Gray de Norwich no século 12. Assim como a grande maioria dos castelos na Irlanda, ele foi pensado mais como um forte do que um castelo luxuoso, afinal de contas, havia muitas guerras, brigas por terras e invasões, então as pessoas tinham que se proteger como podiam!

Ardagh, uma vilazinha fofa e surpreendentemente minúscula

/

Dando sequência ao meu plano de conhecer todos os condados da Irlanda, decidimos passar pela vila de Ardagh no condado de Longford. Pra dizer a verdade, esse condado não pareceu oferecer nada de muito interessante pra se fazer ou visitar, mas como eu não recuso essas cidadezinhas fofas pela Irlanda, fomos pra lá num feriado desses.


De acordo com o site Longford Tourism, a vila de Ardagh é a mais histórica e fotogênica do condado todo e que contém diversas construções importantes. A vila na verdade se desenvolveu a partir de um mosteiro fundado no século 5 pelo próprio Saint Patrick. A importância da região caiu um pouco com a chegada dos normandos, mas quando a família dos Fetherstons chegou ali, logo construíram uma casa para si e fizeram da cidade seu novo lar no início dos anos 1700.

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top