Killykeen Forest Park no condado de Cavan

/

Há um tempo atrás eu fiz um post contando que faltavam apenas quatro condados na Irlanda pra eu conhecer, sendo um deles Cavan. Pra ser sincera, nessa reta final, não encontramos muuuitas coisas interessantes pra se fazer nos condados que faltavam não, mas especificamente em Cavan, tinha uma coisa que eu queria muito ver: o castelo de Cloughoughter que fica numa ilha no meio do lago Oughter.

É possível chegar até o castelo pegando um barco, mas não quisemos fazer esse passeio e a ideia era tentar ter uma vista bacana do castelo do outro lado do lago, como em várias fotos que você encontra google afora.

Uma das nossas fontes indicava que era possível ver o castelo do Killykeen Forest Park e é pra lá que fomos. Saímos de Dublin num sábado após o horário de almoço em 1h e meia chegávamos na entrada do parque. É possível estacionar de graça e logo na entrada há uma placa explicando as trilhas e o que é possível fazer pelo parque.

Killykeen Forest Park

Links legais #11

/

Socorro! O último Links Legais deu as caras aqui em dezembro do ano passado e eu nem percebi! Esse começo de 2017 foi corrido, tive que ir atrás de uns documentos, regularizar visto, comecei um trabalho novo, então o blog ficou meio de lado - pelo menos em relação à antes. Mas enfim, vim salvando links desde o começo do ano e os partilho agora com vocês! Alguns desses links já podem ser notícia velha, mas o que importa é a intenção.



Línguas


Teoria linguística do filme "A chegada" - Vi esse filme no finalzinho do ano passado e fiquei boba com a maneira como conduziram a história desse ataque alienígena sob a ótica linguística, uma coisa pouco comum em Hollywood.

13 palavras que vêm do árabe - Eu já sabia que as palavras que começam com "al" geralmente são de origem árabe (álcool, algebra), mas "candy" e "magazine" foram novidade pra mim!


Budapeste #5 - O meu top 5 do porquê essa cidade é incrível

/

Acho que já deu pra perceber pelos posts sobre Budapeste que curtimos demais a cidade, né? Não sei se foi porque não tínhamos grande expectativas ou porque não fizemos grandes planejamentos, mas o fato é que voltamos da capital húngara já querendo voltar pra lá!

Resolvi fazer um post reunindo as coisas que mais gostei na cidade pra caso tenha ficado alguma dúvida. Aliás, o que eu recomendaria é conhecer Budapeste numa mesma viagem à Viena na Áustria e Bratislava na Eslováquia, já que elas ficam pertinho umas das outras e conhecer todas numa tocada só deve sair mais barato.



Budapeste #4 - Onde comer?

/

Uma das coisas que mais gostamos de fazer quando viajamos é certamente experimentar comida local. Eu sou suspeita porque adoro uma desculpa pra comer mesmo, mas a verdade é que provar sabores e pratos diferentes do qual estamos acostumados é em si uma viagem, sabe? Seja por um ingrediente desconhecido, um jeito distinto de cozinharem algo que você já conhece, o fato é que esse é, pra mim, o tipo de conhecimento e vivência que valem mais do que muita coisa material - algo que nunca ninguém vai tirar de você.

Pra alguns pode parecer bobagem, afinal de contas, "é só comida", mas essas experiências ficam muito marcadas na minha memória pra sempre. Um sorvete em Roma, uma torta de maçã na Alemanha, um bacalhau em Lisboa, um curry indiano em Londres... e não só de viagem, mas também na vida: o "bolo do bolo" da minha vó, o grão-de-bico da minha tia, o pudim de leite da minha mãe...

Nessa última viagem à Budapeste sabíamos que queríamos provar coisas locais e por isso pesquisamos alguns restaurante e cafés antes de aterrizarmos lá. Não temos o hábito de fazer isso, mas nesse caso, foi muito bom saber de alguns lugares antes de ir e mesmo assim, também descobrimos outros que não estavam no roteiro.

onde comer em budapeste

Budapeste #3 - Atrações de Peste

/

Quando pesquisávamos o que fazer em Budapeste, não vimos muuuuita coisa não. Sabe aquelas cidades que quando você dá uma olhadinha no Trip Advidor cai pra trás com tanta coisa pra se fazer e visitar? Pois é, não sentimos essa pressão na capital da Hungria. No entanto, pode ser também que estejamos num momento mais sussa quando vamos pros lugares. Antes eu tinha muita pressa e vontade de conhecer tudo de uma vez porque tinha um tempo limite do intercâmbio acabar, mas agora que o intercâmbio virou vida, não preciso ir com tanta sede ao pote, tenho tempo...

Basicamente, fizemos duas coisas no lado Peste da cidade (sem ser gastronomia, que vem no próximo post): visitamos um museu e exploramos bastante a região da Andrássy Út. Vamos começar pelo museu? Vamos!


O Hungarian National Museum fica num prédio maravilhoso e é super fácil chegar lá - nós fomos a pé porque era perto do hotel, mas dá pegar o metrô, tram ou ônibus também. A entrada custa 1600 florins, que na cotação de quando escrevo esse post é um pouco mais de 5 euros (17 reais). É permitido tirar fotos, mas é necessário pagar mais 500 florins para tal.

Budapeste #2 - Buda e a vista de Peste

/

O nosso primeiro dia em Budapeste foi super relaxante: ficamos nas termas a tarde toda, comemos num restaurante maravilhoso (vem num post em breve!) e tivemos um dia extremamente agradável. Por isso tínhamos altas expectativas pro segundo dia, mas ao mesmo tempo, não tínhamos pressa em fazer nada.

Acordamos e fomos tomar café num lugar muitoooo legal (que também vem num post em breve - já percebeu que vai rolar post de comidinhas por aqui, né?) e depois disso seguimos pro Hungarian National Museum. Passamos umas duas horinhas por lá e como fazia mais frio do que havíamos imaginado, voltamos pro hotel (já que era bem pertinho), pegamos mais um casaco e seguimos em direção à Buda. Eu queria ter a vista do Parlamento Húngaro tanto de dia como de noite, por isso essa decisão estratégica.

budapeste vista

Pegamos um ônibus que atravessou a Ponte dos Cadeados e nos deixou do lado Buda da cidade. Lá já vimos o guichê para comprar ingresso para o funicular que sobe até o Bastião dos Pescadores e resolvemos subir assim mesmo. Dá pra ir a pé e o trajeto tem vistas incríveis, mas ahhhh, eu tava meio preguiçosa nessa viagem e não queria gastar minha energia subindo! hahaha

Budapeste #1 - As termas

/

Há muito tempo a gente tava com vontade de conhecer Budapeste. Aliás, eu tenho até um post de 2014 onde falo sobre isso! Caramba, como o tempo passa rápido...

Todo mundo que eu conheço que já foi pra Budapeste voltou falando maravilhas então eu sabia que gostar a gente ia gostar, mas não imaginava que íamos gostar taaanto assim! A verdade é que a gente tava tão ocupado por aqui com outras coisas e burocracias que não tivemos muito tempo de nos prepararmos pra essa viagem. Tipo, tínhamos um roteirinho, lugares que queríamos conhecer, mas não era uma lista enorme, nada exagerado, sabe?


Então nós saímos de Dublin num sábado de manhã, felizmente num vôo de horário mais humano (9h30, ao invés das costumeiras 6h30 ou 7h...) e chegamos de volta na segunda à noite. Foram então uns dois dias e meio na capital da Hungria, mas o suficiente pra gente ficar totalmente apaixonado pela cidade!

Budapeste tem esse nome pois é a junção de duas cidades - Buda e Peste, mas isso você provavelmente já ouviu falar, né? São mais de 1 milhão e meio de habitantes e eu não sabia, mas Budapeste está em 25º na lista de maiores destinos de turistas no mundo e é a 6ª cidade mais visitada da Europa!

Aliáááás, antes da viagem eu TIVE que ler "Budapeste" de Chico Buarque. Eu já tinha lido umas frases por aí, especialmente as que se referem ao idioma húngaro e à Budapeste em si e amei a leitura, os personagens, a forma como ele descreve um pouco da cultura e idioma da Hungria... salvei vários trechos no kindle pra reler depois!

São as águas de março fechando o ver... inverno

/

Março acabou. O mês em que completo anos na Irlanda, o mês do St. Patrick's Day e o mês em que a estação começou a mudar: a escuridão deu lugar à claridade (agora ainda tem luz do dia até após às 19h e aumenta cada dia mais), as temperaturas subiram (no fim de semana chegou a fazer 15 graus!) e as flores começam a desabrochar.


Fora essas mudanças fora do meu controle, as coisas continuam iguais: ainda trabalhando em duas escolas e ainda naquela correria de um lugar pro outro, o que tem me cansado bastante. Tô ficando cansada não só fisicamente, mas também psicologicamente, já que não tenho conseguido me dedicar direito em lugar nenhum e sei lá, não ando com a cabeça nem lá nem cá. No entanto, já tomei uma decisão em relação à isso e as coisas devem mudar logo, mas eu volto pra contar aqui no blog.

As aulas de italiano estão indo bem, já passamos da metade do curso e sinto que estou melhorando bem, apesar de achar que meu speaking não tá fluindo tanto quanto eu gostaria. A verdade é que o inglês acaba me atrapalhando demaisss e tem sido difícil focar no italiano, ainda mais estudar em casa. Faço as lições de casa e continuo ouvindo músicas como sempre, mas não tô me dedicando muito não. E não, eu não preciso botar pressão nem me cobrar tanto, mas a gente sempre tem certas expectativas, né?

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top