Relembrar é viver: férias em Natal (parte I)

/

Em janeiro de 2012 estive na capital do Rio Grande do Norte, Natal. Foi uma viagem muito gostosa e bacana, mas na época eu não tinha o blog e nunca escrevi a respeito.

Esses dias tava lembrando da viagem quando conversava sobre praias com minha flatmate e me deu vontade de escrever sobre o RN porque se eu não escrever, esqueço. Esqueço fácil!

Como comentei aqui, tenho família em Pernambuco, e nas férias de 2012, eu, minha mãe e meu irmão decidimos conhecer as maravilhas de Natal depois de passar uns dias na casa da minha família. Decidimos tudo com 6 meses de antecedência numa agência da CVC (CVC é amor) e parcelamos as passagens + hotel em umas 5 vezes, por aí.

O hotel a princípio era simples mas bem localizado, na praia de Ponta Negra.

Saímos de Cachoeirinha (PE) dois dias antes do previsto e fomos aproveitar Caruaru. De lá, pegamos um ônibus pra Natal que levou umas 7 horas pra chegar no RN. A passagem foi em torno de cento e poucos reais. Pegamos o ônibus bem cedinho e chegamos na rodoviária de Natal umas 2 da tarde. De táxi, chegamos no hotel, o Coral Plaza.

Na recepção já percebemos que o hotel era beeem mais chique do que esperávamos. Nos encaminharam ao nosso quarto e quase caímos pra trás: era um quarto enorme e muito chique. Tinha cozinha, sala, quarto, varanda de frente pra praia... e uma carta em cima da mesa nos parabenizando pelo upgrade - o quarto que havíamos comprado não estava disponível e por isso fomos pra um melhor. YES!

Nesse dia fomos conhecer a praia de Ponta Negra e a piscina do hotel. Nunca me senti tão rica na vida.

A grande atração do Rio Grande do Norte é sem dúvida as dunas douradas. É uma paisagem belíssima, coisa impressionante mesmo. Existem diversas empresas que oferecem o passeio de buggy e todas pelo mesmo preço: em torno de 400 reais, sendo que o buggy dá lugar para 4 pessoas. Você "aluga" o buggy com o motorista pelo dia todo.

Assim que chegamos em Natal já liguei pra algumas empresas (eu havia pegado os telefones no google antes de viajar) e fechei com uma que não lembro o nome.

No domingo, dia do passeio, acordamos cedo e tava chovendo muito, o céu tava nublado e tudo. Fiquei puta e se não me engano, comecei a chorar de raiva. NUNCA VOU PRA NATAL E QUANDO VOU CHOVE?! Minha mãe tentou ser otimista e nos encorajou a nos arrumarmos e descermos pra tomar café. O céu foi abrindo e quando deu a hora de sairmos, o sol já brilhava novamente.

O buggueiro era muito simpático e chamava a gente de "senhor" e "senhora". A primeira parada foi o Aquário de Natal, onde pudemos ver diversas espécies - peixes, cavalos-marinhos, tartarugas e até um tubarão (inclusive você pode colocar a mão nele)!!!

Apaixonei, ela é muito linda!

Bicho estranho demais, gente!

Pra provar que eu coloquei a mão num tubarão mesmo!


Depois do aquário seguimos direto pras dunas.

O buggueiro pergunta se você quer o passeio com ou sem emoção. Optamos por fazer o passeio com emoção mas mais tarde nos arrependemos (mais pra frente eu conto).

As dunas são lindas, incríveis, maravilhosas. Eu não sabia se olhava, se tirava foto ou se segurava no buggy! Consegui fazer tudo ao mesmo tempo:


Lagoa de Genipabú, a primeira parada no meio das dunas

Depois de paradas pras fotos na lagoa, andamos um pouco mais no meio das dunas e vimos lindas praias ao fundo e dromedários também:



De lá passamos pelas praias de Genipabu, Graçandu e Lagoa de Jacumã - que tava bombando. A água era bem clarinha, uma delícia!

Aí voltamos pro buggy e andamos um pouco mais pelas Dunas Douradas - onde gravaram cenas da novela "O Clone" (ah, eu gostava dessa novela...).



E aí veio a parte tensa do dia: numa descida MUITO inclinada, o buggy ia capotar. O buggueiro, pra não nos deixar capotar, girou o buggy pra direita e fomos banhados em areia. Só lembro que segurei bem forte no cano do buggy e fechei a boca e os olhos pra não engolir muita areia.

Todos estavam bem, mas o buggy atolou. Atolou e nada fazia o bichinho sair do lugar.



Aí o buggueiro subiu nas dunas pro sinal do celular pegar e ele pedir ajuda - saímos da base da duna porque poderia ser perigoso se outro buggy descesse por ali. Em menos de 10 minutos um amigo dele chega num buggy vazio e continua o passeio com a gente - na verdade, ele nos levaria para um restaurante próximo pois já estávamos varados de fome nessa altura do campeonato.

No restaurante o nosso buggueiro apareceu dizendo que havia concertado o carro.

Depois disso, o passeio foi mais suave porque a gente já tinha passado um belo susto, né?

A primeira parada depois do almoço foi numas dunas pra fazer esqui-bunda e tirolesa:



A vista da tirolesa é linda, mas dá um medinho porque é bem alta. 

O buggy ainda vai pra outras praias do litoral norte, mas não paramos mais pra descer. A volta é feita toda pela estrada e pegamos uma bela chuva! 

Foi um dia cansativo e sensacional, mas o dia seguinte nos reservava mais...
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top