My second goodbye

/

Acordei às 5 da manhã hoje, chorando - tinha tido um pesadelo com as meninas. No sonho, eu me despedia delas, coisa que faria mais tarde ainda hoje. Eu não queria dizer tchau.

Foi um dia comum: fomos à biblioteca, parque, brincamos em casa, comemos juntas, vimos até um pouco de TV (porque era último dia e no último dia pode). Comprei sorvetes, que havia prometido há algumas semanas, e os devoramos após o dinner. A mais velha grudou em mim à tarde toda e disse, do nada, "I love you very very very very much".

Eu sabia que choraria, mas nossa, como doeu.

Até o pai delas chorava e dizia-se triste por eu não trabalhar mais com a família. Quando ele chegou às 17h pra que eu pudesse ir embora, elas entraram em estado de negação e se recusaram a me abraçar pra dizer tchau. Ficaram pulando e cantando alto na sala e não ouviam o pai as chamando pra se despedir de mim. Eu queria muito dar um abraço nelas, mas confesso que já estava tão triste que teria ido embora sem dizer nada mesmo.


C. reclamou um pouco quando a peguei no colo e dei um beijo e um abraço apertado - "Let me go, Barbar!", protestou. É. não queria despedir, mas quando decidiu que era a hora, me deu um abraço incrível, um abraço que nunca vou esquecer. Olhei pra carinha dela e disse "You're my best girl - I'll miss you so much". Entre lágrimas e sorrisos, pedi pra que elas não se esquecessem das canções que ensinei. O pai interviu e pediu pra que elas cantassem "aquela música em português" que elas sempre cantam pra ele no carro (então elas cantam mesmo?!).

Assim, fui embora. Feliz, pela sensação de dever cumprido, e triste, por me despedir dessas belezuras que estão presentes na minha vida há exatamente um ano.

É., C.. Vocês nunca vão ler esse texto, acredito eu. Não me importo. Eu queria mesmo era deixar registrado no universo o carinho que tenho por vocês duas.

Nunca me esqueço do primeiro dia em que as vi: É. correndo toda feliz me oferecendo pizza e C. grudada na mãe, toda tímida. Vocês choraram muito nos primeiros dias, naturalmente - quem era essa estranha de cabelo rosa que ia ficar o dia inteiro com vocês quando o que vocês queriam mesmo era ficar com a mamãe e o papai?

O tempo foi passando e fomos ficando amigas. Vocês me ensinaram diversas músicas e palavrinhas fofas, e de volta eu também as ensinei canções e palavras na minha língua. Brincamos de shopping, de boneca, de bola, de jogo da memória. Pintamos, desenhamos, escrevemos. Li diversas histórias pras duas e me recusei a ler a mesma novamente quando ávidas por mais, vocês diziam "read it again, Barbar!".

Não vou esquecer da alegria da C. ao me ver chegando de manhã ("look, Barbar is here") e da É. me recebendo com um mega abraço quando ia buscá-la na escola. Não vou me esquecer das vezes em que brincamos de pega-pega no parquinho nem de quando as empurrei na balança - e não é você finalmente aprendeu a se balançar, É.? Back and forth, back and forth.

Por sorte, vocês nunca me deram trabalho. Sempre foram meninas alegres, felizes, carinhosas e sim, às vezes meio chatinhas. Mas vocês ficavam mais chatinhas na presença dos pais, porque sabiam que comigo não ia funcionar, né?

Sei que vocês não se lembrarão de mim. Outras babás virão, mil coisas vão acontecer. Mas eu espero, de coração, que vocês sejam muito felizes. Que vocês sejam sempre carinhosas uma com a outra, que sejam melhores amigas, que sejam parceiras. Eu nunca esquecerei da carinha de vocês - obrigada pelos momentos que fizeram valer a pena.

Sentirei falta de vocês, gatinhas! You both changed something in me.

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top