O primeiro dia na ilha mais linda

/

Como citei no último post, meu querido R. deu a idéia de passarmos um fim de semana nas Aran Islands, mais especificamente na ilha maior, Inis Mór (Inishmore, em inglês). 

Olha, já visitei alguns lugares aqui na Europa e tô achando que não tem Paris nem Roma nem Viena que ganhe da Irlanda - dizer que gostei de lá é pouco, amei (e o R. também)! O vôo, a hospitalidade, os passeios, foi tudo sensacional. 

Leia também: O segundo dia na ilha mais linda


Saímos de Galway de manhã cedo e seguimos pro aeroporto de onde saem os vôos pras ilhas (pra quem não está de carro tem ônibus pra lá). Eles pesam os passageiros pra poder designar o assento de cada um no avião, que é pequeno e o peso tem que ser balanceado, e passam um DVD com medidas de segurança. Nós sentamos bem atrás do piloto e deu pra ver todo o processo dele ligar o avião, apertar os mil botões e tal. Deu medo, mas nossa, que demais! Que vista (a câmera tava na mochila e só tirei fotos na volta)! E quando chegávamos na ilha, não teve como não pensar na música de abertura da série Father Ted (já falei aqui). E falando nisso:


aran islands


Chegando lá pegamos um ônibus que leva o povo para o centro e tal. Por 5 euros ele te leva e busca quando você precisar voltar pro aeroporto (são apenas 2 vôos diários). Em poucos minutos estávamos na porta do Bed and Breakfast Seacrest. O quarto já tava liberado e a host era muito simpática. Aliás, a localização dele é ótima, perto das lojas, pubs, aluguel de bikes e etc. 

Como não havíamos tomado café-da-manhã , fomos num pub chamado The American Bar. Eles não estavam fazendo café (baixa temporada na ilha, muitas lojas e cafés fechados inclusive!), mas podiam fazer uns sanduíches e foi isso que nos segurou por praticamente o dia todo. 

De lá, alugamos as bicicletas (por dois dias, 10 euros a diária) e com o mapa da ilha em mãos, seguimos para o primeiro e mais importante destino: o forte pré-histórico Dún Aengus

No começo o caminho foi meio tenso porque tinha muita subida e eu não dou conta. Mas pra eu não me sentir a pior ciclista do mundo, vi muita gente descendo da bike e subindo a pé. Ufa, não sou a única!


aran islands

aran islands


Pelo caminho paramos pra tirar foto e apreciar a vista. Infelizmente não pudemos pedalar na estrada que ia pela costa pois por causa das chuvas e tempestades da semana anterior, não havia como pedalar nem dirigir por lá. No fim acho que não perdemos tanto, já que dava pra ver a costa do mesmo jeito:


aran islands


Após mais ou menos uma hora chegamos na base da Dún Aengus. Há um pequeno museu com informações sobre o local, assim como um café (que estava fechado) e banheiros. A entrada custa 3 euros (estudante paga 1). Ele data de milhares de anos antes de Cristo e acredita-se que ali vivia uma comunidade organizada. Claro que hoje só restam os muros, feito de pedras, mas de acordo com estudos, havia cabanas do lado de dentro dos muros. Perguntas: como levaram esse monte de pedra lá pra cima pra construir tudo isso? Como lidavam com o frio e o vento que vem do mar? 


aran islands

aran islands



Pra chegar lá em cima tem que andar uns 10 minutos. Tava um dia lindo e ensolarado, e juntamente com a subida, aumentou a sensação de calor. A minha, porque todo mundo continuava vestindo seus casacos. Como vocês conseguem, gente??!!!

A vista lá de cima é, como já esperávamos, maravilhosa. É penhasco, aquela vibe Cliffs of Moher. Como não estava ventando, a galera sentou na beira e tudo (inclusive o R., que quase me mata de susto!). 


aran islands

aran islands


Andamos um pouco por ali, exploramos o local e descemos pra continuar o passeio pela ilha: o próximo local seria o Worm Hole, mas a estrada tava cheia d'água. R. foi na frente pra testar se dava pra pedalar e acabou molhando os pés, tadinho! Resolvemos então voltar pra vila pra que ele pudesse trocar de meia e descansamos uns 5 minutinhos pra aproveitar o resto de luz do dia. 

Pedalamos o mesmo caminho que fizemos pra Dún Aengus (porém somente o primeiro terço) e subimos uma estradinha MUITO ÍNGREME até o farol, o ponto mais alto da ilha. Nenhuma foto conseguiu capturar o ângulo daquela estradinha - foi foda, mas chegamos, somente pra descobrir que o local estava fechado pra reforma. Mas tudo bem, porque mesmo assim valeu a pena a vista da ilha:


aran islands

aran islands


Descemos e paramos no pub mais famoso da região  pra almoçar, mas adivinha? Eles só faziam almoço até às 4pm e jantar após as 7pm. Eram 5pm. Ficamos desesperados porque este era o ÚNICO LUGAR em Inishmore que tava fazendo comida! Passamos no mercado (veja só você, um SPAR com as placas todas em gaélico!) e compramos uns biscoitos pra enganar o estômago. E assim voltamos pro Bed and Breakfast pra descansar e esperar a hora do pub servir o jantar pra voltarmos. 

Às 7:30pm já estávamos lá. A fome era tanta que pedimos uma entrada, mas os pratos principais eram grandes e não aguentamos comer tudo. Tudo bem, porque mesmo assim a comida tava muito boa e valeu cada centavo (meio caro, mas valeu). No fim de tudo estávamos mortos, com dor em todos os músculos do corpo - e justamente por isso fomos dormir cedo pra ter energia pro dia seguinte. 

Mais algumas fotos do primeiro dia nessa ilha maravilhosa:


aran islands

aran islands

aran islands

aran islands

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top