Eu não recomendo um intercâmbio na Irlanda

/

Primeiramente, quero deixar claro que 1) adoro a Irlanda e 2) não quero destruir os sonhos de ninguém. Mas é que já passei do período de experiência aqui (rumo aos 4 meses) e mesmo antes, já lia e ouvia coisas que me incomodavam bastante. Eu não aguento ficar quieta, não aguento. Preciso escrever.

Eu vim pra Irlanda porque tive recomendações de amigos próximos que vieram e gostaram muito, sempre me interessei por cultura e música irlandesa, gosto de frio e já falo inglês.

Se eu não falasse inglês e quisesse fazer intercâmbio, a Irlanda seria o último lugar que eu escolheria. Razão número 1: o sotaque deles é fofo, mas difícil de entender. Eu tenho que prestar atenção quando falo com alguns locais aqui, e estudo o idioma há anos. Ir pro Canadá ou Estados Unidos seria muito mais fácil nesse sentido porque o sotaque deles acaba soando mais fácil pra quem está exposto à cultura de língua inglesa (americana) - aquelas pessoas que assistem filmes, seriados, ouvem música e tudo mais.

Razão número 2: se você não gosta de frio, cara, vai ser foda ficar aqui. Agora estamos no verão, tem feito dias bonitos, chuvinha pouca, vento tá aceitável. Só que no inverno a coisa fica feia (só peguei o finalzinho dele e sim, passei frio) e ficar reclamando do clima todo dia é muito deprê, então você acaba desanimando e tal.

No entanto, a maior razão pela qual eu não indicaria a Irlanda pra ninguém é a qualidade de ensino das escolas aqui. Não conheço todas (afinal, só assisto aulas na minha escola), mas tenho "investigado" e a situação é bem ruim. Com exceções de escolas um pouco mais caras (e coloco um talvez bem grande aí, porque não sei se é assim mesmo e isso é pura especulação), acredito que a maioria das escolas procuradas por brasileiros são todas muito, muito ruins. Salas cheias, aulas mal dadas, desorganização... professor que fica sentado a aula inteira, professor que não corrige aluno nem tira dúvida, professor que sai no meio da aula pra ir tirar fotocópia de exercício que vai dar na mesma aula, enfim, aulas bem ruins. E não digo isso porque eu sou professora não: muitos amigos que vivem aqui que não têm nenhum background de sala de aula e reclamam do mesmo jeito.

Além disso, tem a questão do foco.

É muito fácil perder o foco do estudo aqui, muito fácil.

E não tô julgando não, porque sei que é foda. Você chega, tem que arrumar uma casa pra morar, abrir conta no banco, tirar o visto sozinho... depois o dinheiro começa a acabar e você começa a procurar emprego pra poder se sustentar aqui e a escola fica em segundo plano. Claro que não tô reclamando do fato dos brasileiros poderem trabalhar aqui - isso é bom, facilita nossa estadia na Irlanda. Só que a pessoa começa a trabalhar, trabalhar, trabalhar e quando percebe, já está na Irlanda há meses (às vezes anos) e ainda não fala o tão desejado inglês. Alguns alegam que o inglês, vão aprender no dia-a-dia, na rua. Sinto muito pra quem pensa assim, porque isso não existe. Até porque nos empregos que os brasileiros costumam ter aqui - ficar na cozinha, restaurante, limpeza, au pair... em nenhum desses empregos você precisa ser fluente na língua ou acaba usando o mesmo vocabulário sempre. No mercado você só tem que entender o preço, na loja você entrega o dinheiro e fala "thank you", no ônibus você fala o valor e entrega as moedas... Não precisa falar muito inglês pra viver aqui não. Sério.

Aí a pessoa tem o sonho de aprender inglês, de fazer intercâmbio, de morar fora (meu caso). E a Irlanda é a opção mais barata, tem um monte de informação na internet (nunca fiz pesquisa pra saber se há mais material disponível sobre outros destinos de intercâmbio, mas acho que não), não tem burocracia no Brasil pra tirar o visto. Tem um monte de agência, um monte de escola aqui com funcionários brasileiros que vendem curso no Brasil, enfim, as facilidades estão todas presentes. Parece o mais lógico e econômico, né não?

Se eu não falasse inglês, faria um intercâmbio pra ser au pair nos Estados Unidos. Tenho umas 4 amigas próximas que fizeram o programa e amaram. É bem barato (bem mais barato meeeeesmo), seguro, regulamentado e bonitinho. Mas isso só vale pra quem tem até 26 anos, então se eu tivesse mais que 26, iria pros EUA ou Canadá. Tenho um amigo que está fazendo intercâmbio lá e gostando muito das aulas - que têm continuidade, preparação, cuidado. O Canadá é um país organizado e muito bonito e seguro, e o sotaque não seria problema nenhum. Enfim, são só divagações...

Honestamente, se você quer aprender inglês, não precisa sair do país pra isso. Tive alunos incríveis que aprenderam muito e falavam muito e nunca haviam pisado fora do território brasileiro - assim como eu, que  aprendi inglês fazendo curso duas vezes por semana e ouvindo música, vendo seriados, etc e etc. Se você estuda, se dedica, se interessa e faz a "lição-de-casa", tá no caminho certo. Não adianta "ir pra fora" e continuar vivendo sua vidinha de Brasil (de novo, cada um sabe o que é melhor pra si e faz o que quiser, é só algo que EU não faria), comprando comida brasileira, indo na balada brasileira, indo no restaurante brasileiro, ouvindo pagode e vendo a novela. Se for assim, gastou mais de 15 mil reais à toa vindo pra cá. Por outro lado, mesmo com a qualidade ruim das escolas e com as dificuldades de sotaque dos locais, dá pra aprender inglês aqui também. Mas o cara tem que querer, tem que se esforçar, tem que correr muito atrás, muito.



Mas eu adoro a Irlanda e não me arrependo nem um dia de ter vindo pra cá. País lindo, verde, cheio de história, cheio de literatura e música boa, gente legal (tem uns esquisitos também, mas em todo lugar é assim) e chocolate baratinho!
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top