Opiniões de um irlandês sobre o Brasil - parte I

/

Como comentei por aqui, eu queria muito que o R. desse as opiniões dele sobre o Brasil aqui no blog. A princípio não achei que ele fosse querer, já que ele não gosta de redes sociais, de se expor na internet e tal, mas não é que ele gostou da ideia? Confesso que tô até com medo das pessoas pedirem pra ele ser o escritor oficial do Barbaridades, já que ele escreve muito muito bem! :)

Vou dividir o texto em algumas partes e vou sempre colocar o texto dele em inglês primeiro, seguido da minha tradução livre, assim, quem lê em inglês pode ter o gostinho da "obra original". Os posts não serão muito grandes porque levo muito tempo traduzindo tudo, então de pouquinho em pouquinho a gente vai postando.

Vamos lá! O que será que o meu irlandês achou do meu Brasil? Parte 1.

Nós dois em Copacabana <3



Introduction

Hi there,
I am the “R.” that Bárbara has mentioned on many occasions in her blog.  Bárbara asked me to share some of my thoughts on our recent trip to Brazil, and while I usually prefer to stay in the background, I figured it would be fun to participate in this case.  It was my first time in the southern hemisphere and it was an unforgettable experience, worth capturing here.

Firstly, a little bit more information about me.  Regular readers of the blog may ask: “Why does Bárbara not use his full name?”  The reason is that although Bárbara and I share many things in common, her interest in sharing her life with others online is not something that appeals to me.  I don’t do Twitter/Facebook/Google+ and I’ve never had a blog.  I’ve considered using such services, and a long time ago I had a page on Bebo (it was like Myspace that was popular in Ireland) but later decided that it wasn’t for me.

So what do I feel comfortable telling you all?  I’m 27, I work as a software engineer, I’m originally from Cork but I’ve lived in Dublin since I finished college.  I play squash, go to the gym and I’m interested in languages – I enjoyed German at school, and I’m currently studying Italian for personal pleasure – my grandmother comes from Sicily.

Well, enough about me – onto Brazil!

Food

Food, glorious food!  Words are not enough to describe how amazing the food is in Brazil.  Bárbara and I had a mission for me to try as many things as possible and I adored almost everything I ate.  Bárbara has a full list which she might post at a later stage, but my favourites were coxihna, açaí, beans, various juices (goiaba, mango, maracuja), fried banana – ah the list is endless!  We ate churrascaria de carne and I tried chicken hearts, wild boar and various cuts of beef.  It was all marvellous!  While this post is mostly about Brazil, Uruguay deserves special mention for incredible quality beef, as well as torta alfajor.

Aside from quality, Brazil also enables quantity – the joy of self-service dining!  I brought a healthy appetite with me and I was not disappointed.  Self-service buffets are not very common in Ireland and we don’t have anything to compare to churrascaria, so I was like a child in a sweet shop.  Even self-service ice-cream parlours – simply incredible!  While Bárbara found many things in Brazil expensive, as a tourist from Europe I found the food to be excellent value for money.

The food was my favourite thing about Brazil – congratulations!

People

In addition to the food, the warmth of the Brazilian people is truly breath-taking.  Most of the people I met were friends and family of Bárbara’s, so I guess my experience is quite different to that of a typical tourist, but everyone I met greeted me with open arms.  They opened their homes to me and made me feel like family – it was very moving.  I only hope that I can someday return the compliment to everyone who took care of us during our visit.


Na Festa Junina, mais uma ocasião cheeeia de comida!

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Introdução 

Olá,
Eu sou o "R." que a Bárbara já mencionou muitas vezes aqui no blog. A Bárbara me pediu pra compartilhar algumas das minhas considerações sobre nossa viagem recente ao Brasil, e mesmo que eu geralmente prefira ficar "de fundo", nesse caso eu achei que seria divertido participar. Foi a minha primeira vez no hemisfério sul e foi uma experiência inesquecível, que vale a pena ser registrada aqui.

Primeiramente, um pouco mais de informação sobre mim. Leitores regulares do blog podem perguntar: "Por que a Bárbara não usa o nome dele todo?" O motivo é que, apesar da Bárbara e eu termos muitas coisas em comum, o interesse dela em dividir sua vida com outros online não é algo que me agrada muito. Eu não uso Twitter/Facebook/Google + e eu nunca tive um blog. Eu já considerei utilizar esses serviços e há muito tempo eu tive uma página no Bebo (era tipo Myspace muito popular na Irlanda), mas depois eu decidi que aquilo não era pra mim.

Então o que eu sinto que posso dizer a vocês? Tenho 27 anos, trabalho como engenheiro de software, sou originalmente de Cork mas moro em Dublin desde que terminei a faculdade. Eu jogo squash, vou à academia e sou interessado em línguas - eu gostava de alemão na escola e atualmente estudo italiano por prazer pessoal - minha vó vem da Sicília.

Bem, tá bom sobre mim. Vamos falar de Brasil!

Comida

Comida, gloriosa, comida! Palavras não são suficientes pra descrever o quão maravilhosa a comida é no Brasil. Bárbara e eu tínhamos uma missão pra eu experimentar o máximo de coisas possível e eu adorei quase tudo que comi. A Bárbara tem uma lista que possivelmente deverá colocar no blog, mas as minhas preferidas foram coxinha, açaí, feijão, sucos variados (goiaba, manga, maracujá), banana frita - a lista é infinita! Nós comemos numa churrascaria e eu experimentei coração de galinha, javali e vários tipos de carne. Foi tudo maravilhoso! Mesmo que esse post seja principalmente sobre o Brasil, o Uruguai merece uma menção especial por sua incrível qualidade de carne, bem como a torta alfajor.

Além da qualidade, o Brasil também possibilita a quantidade - a alegria da comida self-service! Eu fui preparado, com bastante apetite, e não me decepcionei. Buffets self-service não são muito comuns na Irlanda e não temos nada que se compare à churrascaria, então eu era praticamente uma criança em doceria. Até self-service de sorvete - simplesmente incrível! Enquanto a Bárbara achou tudo no Brasil muito caro, como um turista da Europa eu achei que a comida tinha um ótimo custo-benefício.

A comida foi minha coisa preferida no Brasil - parabéns!

As pessoas

Além da comida, o calor do povo brasileiro é realmente de tirar o fôlego. A maioria das pessoas que eu conheci eram familiares e amigos da Bárbara, então eu acredito que minha experiência tenha sido um pouco diferente da de um típico turista, mas todos que eu conheci me receberam de braços abertos. Eles abriram as portas de suas casas pra mim e me fizeram sentir como parte da família - foi muito emocionante. Eu só espero que um dia eu possa retribuir a gentileza a todos que cuidaram de nós durante nossa visita.

No Mercado Municipal (SP)
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top