Ainda em Portugal: chegando em Porto

/

Dia 3: Chegada em Porto

Cheguei em Porto antes das oito da noite. Ainda na estação Campanhã, onde o trem vindo de Lisboa parou, peguei um outro trem pra estação São Bento, super pertinho de lá. 

A estação São Bento é perto do hostel, mas como eu sou péssima em ler mapas, dei uma puta volta desnecessária pra chegar lá. O hostel era da mesma rede que eu fiquei em Lisboa e assim como aquele, também era super bacana e o staff, gentil e simpático. Fiz o check in e a ideia era subir, tomar um banho, comer alguma coisa e ir dormir, mas o hostel oferecia um jantar com entrada, bebida, prato principal e sobremesa por 10 euros. Não resisti e fiquei pro jantar ao invés de sair procurando um lugar pra comer. 

As meninas do meu quarto eram de Singapura e Taiwan, umas fofas. Descemos pro jantar e uns alemães sentaram perto - foi muito legal! Batemos papo (não exibi muito do meu alemão não), rimos, e a comida tava uma delicia. Aí vi que um dos caras da mesa tava super quietinho, deslocado. Perguntei de onde ele era - Colômbia! Começamos a conversar em "espanhol". Muito nas aspas porque eu consegui misturar espanhol, italiano e português na conversa, mas deu tudo certo. Já passava das 11 quando fui dar uma arrumada nas coisas e tomar um banho. 

Dia 4: Porto 

No dia seguinte acordei cedo como em todos os outros. Fiquei sabendo que o hostel oferecia dois walking tours diferentes, um pela manhã e um à tarde. Resolvi fazer os dois, assim conheceria mais da cidade no meu único dia lá. Só que como o tour começaria às 10:30, aproveitei uma hora e meia antes andando por ali e conhecendo três lugares: a Torre dos Clérigos, a livraria Lello e a praça de Gomes Teixeira.

A Torre dos Clérigos é a maior torre de concreto do mundo. É super baratinho pra subir e ter uma visão legal da cidade - eu fui uma das primeiras a chegar e já fui logo tirando a blusa quando comecei a subir os degraus. Apesar do friozinho, subir escada dá calor demais, afff!




De lá segui pra livraria Lello e irmão, que inspirou a autora de Harry Potter a criar a biblioteca de Hogwarts. Pra quem não sabe, J.K. Rowling morou em Porto e freqüentava muito o local. É proibido tirar foto lá dentro, mas das 9 às 10, antes do horário de abertura, é possível fotografar através do vídro. Mais tarde no walking tour pude ver a livraria por dentro, realmente linda (e lotadaça!!!). 



Por fim, subi até a praça, onde fica a Universidade do Porto. É la que está uma das muitas igrejas da cidade, coberta de azulejos azuis e brancos. Foi um sufoco conseguir alguém pra tirar a foto que eu queria lá, mas o tiozinho foi paciente e eu consegui!



Voltei pro hostel pra começar o walking tour. 

Todos os walking tour que já fiz na vida foram com a empresa Sandeman. Eu já sabia que eles eram muito bons, mas em comparação com essa empresa em Porto, são muito melhores. Mas tudo bem. Os guias eram legaizinhos, tinham um bom inglês, mas não prenderam tanto a minha atenção. 

O tour começa na Praça dos Aliados, uma avenida que foi pensada e criada pra ser um grande boulevard como os dessas grandes capitais européias, e realmente - é uma praça linda que não deve nada a nenhuma praça de Praga ou Paris, sabe?


De lá seguimos pra estação São Bento (a mesma onde desci no dia anterior). Quando encomendaram essa estação, o arquiteto tava todo empolgado porque queria criar a estação de trem mais bonita de Portugal. E realmente, no dia da inauguração todo mundo foi ver a belezura e acharam tudo lindo, mas o arquiteto esqueceu de um detalhe: a bilheteria! Sim, ele fez uma estação de trem sem bilheteria. Claro que a construíram depois, mas bizarro, né? Enfim, o lugar é realmente lindo, cheio de azulejos que contam a história dos meios de transporte em Portugal.



Subimos uma mega ladeira e o guia mostrou a rua mais comercial da cidade, que tem um café super famoso chamado Majestic. Esse café tem toda uma decoração do século passado e tal - inclusive existem filiais desse café em várias cidades tipo no Rio - o café Colombo!

A foto não capta, mas era uma puta ladeira


De lá seguimos pra igreja de Santa Clara - o guia comentou sobre como no passado as mulheres tinham que casar com os maridos que as famílias escolhiam ou tornarem-se freiras - Porto era a cidade com mais conventos no mundo! 

Na sequência passamos por uma ponte, que infelizmente, perdi o nome. Nessa hora eu já tava bem distraída e perdi a explicação - aproveitei pra relaxar e tirar umas fotos por ali. 




Começamos então a descer as ladeiras - a próxima parada seria a região da ribeira, a parte mais turística da cidade. 

Como o guia tava meio atrasado, essa parte foi muito corrida. Além disso tinha muita gente ali, aí tava barulho, bagunça... Não prestei mais atenção no guia e acabei nem tirando umas fotos por ali. 

O tour acabou - como o guia tinha comentado de um restaurante que fazia a tal da Francesinha, prato típico do Porto, fui pra lá com uma galera do tour - em sua maioria, estudantes do ciências sem fronteiras de vááárias partes do Brasil morando em vários países diferentes na Europa. Um australiano que tava no tour com a gente veio também. 

Eu achei que esse seria o último post sobre Portugal, mas esse país foi tão maravilhoso que ainda tem mais! Mas é o último, prometo! Nele explicarei melhor o que é essa tal francesinha e conto sobre o segundo walking tour que fiz nesse mesmo dia - haja perna!

Vista da Torre dos Clérigos

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top