Não me conformo

/

Eu sei, vivo falando da fala das meninas de 3 e quase 2 anos que cuido. Mas é que elas não páram de me surpreender. A cada dia, a cada semana, eu vou vendo o quão fluída é a fala delas e o quão esperta elas são e fico me perguntando: como não vi isso acontecer?

Quando comecei a trabalhar lá, a mais velha, na época com pouco menos de 2 e meio, já falava tudo. A mais nova só tinha algumas palavrinhas e aos poucos foi adquirindo linguagem de uma maneira espantosa. Muito disso certamente deve-se ao fato de que ela tem a irmã pra usar de exemplo: a C. é um verdadeiro papagaio, copia TUDO que ouve ao seu redor. Aliás, tenho que tomar cuidado com o que falo porque ela repete tudo e acha a maior graça.

Não vou expô-las, mas acredite, elas são lindas!


Bom, aí esses dias eu fiquei reparando nas duas, principalmente quando elas conversam entre si. Puta merda, como elas aprenderam a falar assim? Eu convivo 8 horas por dia, 5 dias por semana com elas e não vi como isso aconteceu. Conversam, perguntam, dão opinião, questionam, usam vocabulário local e se expressam na maior naturalidade. Esses dias mesmo a mãe delas chegou do trabalho e eu fui arrumar minhas coisas pra sair - C. virou pra mim e disse "going home, Barbar?". Fiquei pensando em como tudo isso se dá na cabecinha dela - o momento em que a mãe chega é o momento em que eu vou embora e ela juntou as peças na cabecinha dela.

Outro dia a É. me contava toda feliz que ela e a família vão pra Espanha e que vão num "big aleloplane". Aí eu disse que não poderia ir com eles porque não tinha dinheiro e o diálogo seguiu:

- But my daddy has a lot of money for the aleloplane!
- Yes É., but I don't have a lot of money.
- Why don't your daddy have money?
- Because my mommy and my daddy are not here in Dublin, they can't pay for the tickets from here.
- Ah, they're in Brazil?

Achei fofo, porque eu não fico falando do Brasil o tempo todo e mesmo assim, ela lembrou. Teve uma outra vez em que eu falei algo do tipo "in my house" e ela perguntou "in Braziiiiil?".

As duas são uma graça, cheias de personalidade - enquanto a C. é toda alegre e feliz, É. tem um dark side, acorda muito de mau-humor (mas quando tá de bom-humor é um doce e carinhosa).

Elas dão trabalho e são meio grudentas. Grudentas do tipo vão comigo ao banheiro! Mas vou fazer o quê?

- Girls, I'm going to the toilet, ok?
- Ok, I wanna come with you, I wanna heeeeeelp youuuuu.

Aí entra comigo e fala "bye byeee wee wee". "Are you washing your hands now, Barbar?". "I wanna wash my hands".

Acho um barato. E fico besta de ver como elas cresceram rápido. Daqui a pouco estão grandes e perdem a graça (porque eu acho criança grande meio uó... e quando vira adolescente, vish, LONGE DE MIM!). Melhor eu aproveitar enquanto elas ainda são fofas!
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top