O primeiro babysitting a gente nunca esquece

/

(Sim, o último post ainda é verdadeiro - estou aqui no malabarismo com mil coisas pra fazer e pra completar, estou trabalhando full-time essa semana. No entanto, como sou uma pessoa ~preparada~, já tinha alguns textos escritos que precisavam ser revisados e este é um deles. Agora eu vou correr pra minha bolha de CPE e logo mais volto pra cá! Não me abandona!)

Antes de começar, pra quem não está familiarizado com a palavra babysitting: babysittng é cuidar de crianças à noite geralmente porque os pais tem que sair, sabe? 

É bem comum que uma au pair ou minder fique uma noite como babysitter. Algumas famílias negociam esse valor à parte, outras já incluem um ou dois babysittings por mês no pacote do salário. 

Na outra família para qual trabalhei, nunca me pediram pra fazer babysitting e no emprego atual eles também nunca mencionaram o assunto.

Bom, você lembra que em julho eu tava desempregada e fiz um monte de entrevistas e tal? Uma dessas entrevistas até deu em um dia de teste, mas na época recebi proposta da minha chefe atual e resolvi trabalhar pra eles e não pra essa família pra qual fiz o teste. 

Umas duas ou três semanas atrás, agora em outubro mesmo, essa família do teste me contatou por email, perguntando se eu estava indo bem no emprego novo e se eu não poderia reconsiderar trabalhar pra eles. Agradeci e falei que infelizmente não trabalharia com eles mas que se precisassem de mim uma noite pra babysitting ou algo assim, que podiam me chamar. Sabe quando você oferece por educação? 

Aí uns dias depois a mulher me manda mensagem no celular perguntando se eu podia fazer um babysitting num sábado a noite. Opa, uma graninha a mais não faz mal a ninguém! 

Cheguei um pouco antes do horário combinado (18:00) e os meninos lembravam de mim e pareciam animados. O pai foi logo me explicando como seria a rotina da noite (deixar os meninos brincando lá fora até escurecer; 1h de TV; bedtime routine - escovar dentes, xixi, colocar pijama e tal, e cama) enquanto a mãe ainda estava se arrumando. Às 18:30 eles saíram e ficaram de voltar às 23:00. 

Tudo ocorreu mais ou menos como planejado - o mais velho queria tomar iogurte (as instruções me dadas foram: apenas água!) e surtou quando eu disse que não podia. Tacou a garrafinha no chão e subiu pro quarto todo adolescentinho. Ahhhh, me poupe. 

Os procedimentos pra ir pra cama foram bem ok, mas eles tavam muito agitados e não queriam dormir. Fui firme, apaguei a luz e desci. Eles ainda ficaram de risadinha uns 10 minutos, mas o mais velho, cansado, pediu pro irmão ficar quieto porque ele queria dormir. 

E foi isso. 

Das 21:00 às 00:00 fiquei sozinha na casa. Troquei mensagens com os pais pra dizer que tinha dado tudo certo e que os meninos estavam na cama e eles me mandaram mensagem às 23:00 dizendo que estavam comendo sobremesa. Chegaram às 00:00 e me pagaram mais de 10 euros por hora (geralmente o valor que se paga), além de já terem deixado pago o táxi que os trouxe de volta pra que eu pudesse voltar pra casa. Muito bom, né?

Tirei varias lições dessa experiência. A maior e mais importante é que eu fiz a escolha certa ao ter escolhido trabalhar pra família para qual trabalho agora. Os meninos podem ser mimadinhos às vezes, mas olha, eles são respeitosos e bonzinhos. Esses dois da família do babysitting são dois devils, respondões, mal-criados e muuuuuito inquietos. 

A segunda lição é que é sempre bom deixar as portas abertas. Mesmo tendo negado a ótima oferta de trabalho dessa família, me mostrei disponível e mesmo depois de 3 meses da entrevista e teste, eles lembraram de mim e me consideraram não só pra ainda trabalhar pra eles, mas pra uma eventualidade, como foi o caso. 

Ps: eles me perguntaram como tava indo o trabalho atual e eu não aguentei de curiosidade e perguntei como estava a minder que eles contrataram ao invés de mim (poxa, se me chamaram pra trabalhar no sábado a noite, por que não chamaram a babá deles?). O pai veio com uma conversa meio vaga de que estavam vendo como as coisas rolariam, "principalmente por causa desses dois". A mensagem que entendi foi que eles provavelmente contrataram alguém que pediu as contas porque ó, pra aguentar os filhos deles tem que ter coragem! 

Como eu ficaria caso estivesse trabalhando com eles todo dia

Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top