Don't cry for me Argentina

/

O último dia na Argentina foi tão cheio quanto todos os outros. Acordamos cedo, andamos o dia todo e só voltamos à noite. Bolhas nos pés me machucaram horrores, mas eu já tava lá, tinha que agüentar. 

Começamos visitando a livraria "El Ateneu", que antigamente era um teatro. O lugar é realmente lindo, de encher os olhos. São vários andares e cabines clássicas, e o palco foi transformado em café. Tava super cheio de gringos e brasileiros, claro. 

el ateneu buenos aires fisheye






Os preços? Não achei nada barato não. Pra dizer a verdade,  só comprei um exemplar de "Tolkien for dummies" pro meu irmão e pronto, era o que cabia no orçamento. 

De lá, seguimos a pé para a Recoleta fazer os passeios que não conseguimos no nosso segundo dia (por motivos de: chuva e falta de tempo). Fomos andando tranqüilas, paramos em umas 2 sorveterias no caminho e chegamos no segundo destino do dia: o restaurante San Juanito.

Mas antes, preciso fazer uma pausa:

Todo mundo fala do sorvete argentino, de como você encontra mil sorveterias pela cidade, uma em cada esquina, etc etc... E vou dizer o seguinte: não entendi o porquê desse papo todo, simplesmente porque o sorvete é caro e nem é tão maravilhoso assim. O único, ÚNICO lugar que atingiu nossas expectativas foi esse aqui, ó:

Preço bom, sorvete delicioso e casquinha sensacional!

As famosas Freddo, Volta.... tudo caro. A sorveteria Alaska, em São Paulo, dá de mil.

Mas, voltando ao almoço no San Juanito: a dica desse lugar tava no guia e ao chegar, demos o nome pra aguardar uma mesa. Tivemos sorte, pois após fazermos a reserva a fila aumentou muito, com gente esperando inclusive do lado de fora. Comemos as famosas empanadas argentinas e tava bom demais. O lugar tinha um preço bacana e decoração bem diferente. Recomendo!


san juanito recoleta buenos aires
Entrada

san juanito recoleta buenos aires
No balcão do restaurante

7up san juanito recoleta buenos aires
Delícia!

Devidamente almoçadas, fomos até o cemitério, que fica a uma quadra dali. Dessa vez, chegamos a tempo de entrar! 

É meio bizarro dizer isso, mas... Que lugar bonito e tranquilo (tirando os marimbondos). Os jazigos são impressionantes. Lá estão enterradas pessoas importantes da história Argentina e também gente de famílias ricas. Há jazigos enormes e imponentes, outros mais simples e com cara de total abandono. O que mais nos impressionou foi notar que muitas daquelas pessoas foram "enterradas" recentemente. Já pensou que estranho você no velório de um ente querido com um monte de turista no lugar?




Depois de caminhar por ali procurando, encontramos o túmulo mais famoso do Cemitério da Recoleta: o de Evita Perón. Não tem nada de muito grandioso ali, com exceção das inúmeras placas homenageando-a e flores também. O que nos deixou chateada foi ver o número de brasileiros fazendo piada, dando risada e tirando foto sorrindo por ali. Tudo bem, é turismo, mas cara, isso é um túmulo, isso é um cemitério. Parece meio desrespeito, sabe? Desgostosas com isso, fomos embora de lá e demos seqüência ao plano: Floralis

A Floralis é uma construção de metal que representa uma flor bem no meio de uma praça/parque na Recoleta. Fica a algumas quadras do cemitério, bem fácil de achar (depois de ter percebido que demos a maior volta, claro). Turistada tirando fotos e alguns locais na grama tomando sol. Inclusive um deles só de sunga!(?)


No caminho


Todo mundo paga esse mico!




Já era fim de tarde e pegamos o ônibus de volta pra San Telmo. A idéia era comprar alfajor de lembrança pro povo antes das lojas fecharem (sim, deixamos pro último dia porque gostamos de emoção). Olha numa loja aqui, outra ali, resolvemos comprar no mercado que estava mais barato, além de já termos tido provado essa marca e termos gostado bastante. 

Esgotadas e com fome, decidimos fazer o sacrifício final (pros meus pés pelo menos foram, porque eles pediam descanso): jantar em Porto Madero. Já tinham me dito que lá era imperdível e blá blá blá, e como era nossa última noite na cidade... Lá fomos nós. 

Da Plaza de Mayo andamos umas 3 quadras, pra depois perceber que poderíamos ter descido a avenida Belgrano (próxima do hostel, nossa referência sempre) direto, mas paciência. 

Tem a tal Puente de la Mujer e tá cheio de turista tirando foto. Mas deu pra perceber uma coisa: aquela é uma região TOTALMENTE voltada pro turismo. Restaurante caro, aquela coisa toda. Comemos uma pizza e viemos embora. O restaurante não tinha sorvete de sobremesa! Que absurdo!


puente de la mujer buenos aires
Puente de la Mujer

puente de la mujer buenos aires

Esgotada, pero feliz!

E foi assim que terminou nossa estada em Buenos Aires. Vi caras lindos, caras mal-encarados, quase fui roubada, me apaixonei pelo tango, comi empanadas, comi alfajor, comi pizza e muito sorvete. Cheguei à conclusão de que o doce de leite mineiro é melhor e que São Paulo não tá tão mal assim. Buenos Aires, muchas cosas maravillosas! (ler com sotaque argentino, então "maravichossas")
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top