O museu do Ártico

/

O Arktikum é um museu sobre a cultura, história e vida na região do Ártico. Ele foi inaugurado em 1992, no aniversário de 75 anos de independência da Finlândia e é uma das atrações mais recomendadas de se visitar no país.

A ideia de conhecer o museu veio porque nós sabíamos que teríamos muito tempo sobrando em Rovaniemi. Quando nós planejamos visitar a Vila do Papai Noel, já estávamos cientes que após às 3pm já começaria a escurecer e não teria muito o que aproveitar por lá. Além disso, o ônibus de volta pra Oulu só sairia às 9 e pouco da noite, então o que fazer com esse tanto de horas sobrando num lugar com pouco mais de 60 mil habitantes?!

Bia sugeriu conhecermos o Arktikum, já que apesar de já ter ido pra Rovaniemi, ela não tinha tido a oportunidade de ir no museu. Eu e o R. curtimos a ideia e assim que descemos do ônibus que vinha da Vila do Papai Noel no centro da cidade, andamos poucos metros até chegar no local.


O preço é um pouco salgado - €12,00 para adultos. No entanto, eles tem entrada de estudante e conseguimos todos entrar nessa modalidade, pagando apenas €8 cada. O museu é até bem grandinho mas conseguimos ver tudo em mais ou menos 1h e meia, o que foi perfeito, já que chegamos lá umas 4h30 da tarde e ele fecharia às 6pm.

Fonte

Eu vou dizer uma coisa, achei esse museu muito bacana. Primeiro porque ele é relativamente interativo, mas também porque há fotos lindas espalhadas pelos corredores, vários mapas ilustrativos e muita informação bacana. Eu não imaginava que essa região do Ártico era assim tão grande, mas é. Além disso, ela não é uma região inabitada - pode até ser isolada, mas existem vários povos que habitam essas áreas do planeta há muito, muito tempo, e eles tem sua cultura, suas línguas, seus costumes... foi muito legal saber mais sobre esses povos.

A questão é que nossos mapas são tão eurocêntricos que a gente acaba esquecendo ou ignorando que o mundo é muito maior e tem muito mais coisa do que a Europa, não é mesmo? O Ártico consiste não só do Oceano Ártico mas também de algumas partes do Alaska, Canada, Finlândia, Groenlândia, Islândia, Noruega, Rússia e Suécia! São 40 milhões de quilômetros quadrados, ou mais ou menos 8% do planeta, populados por cerca de 4 milhões de pessoas. 

Da linha pontilhada pra dentro: esse é o Ártico

A população indígena dessa região toda abriga diversas tribos e povos que por sua vez descendem de culturas Paleo-Eskimos, Dorset e Thule. Hoje muitos deles são denominados Inuit. Mais de 40 línguas diferentes são faladas no Ártico, mas infelizmente as línguas e dialetos mais antigos estão se tornando raros por conta da influência do russo, inglês e línguas escandinavas na região.




O museu Arktikum também traz muita informação sobre as condições climáticas, natureza e adaptação desses povos à um lugar de circunstâncias tão extremas.

Uma das nossas salas preferidas foi sem dúvida a sala da aurora boreal, onde é exibido um vídeo de simulação da aurora. Você meio que deita numa rampinha e observa tudo acontecendo no teto, como se fosse no céu mesmo. Além disso, eles explicam como os povos do Ártico interpretavam a aurora - o povo Inuit acreditava que as luzes da aurora eram os mortos jogando com o crânio de uma morsa como se fosse a bola. Na Finlândia, acreditava-se que uma raposa mística espalhava neve com seu rabo felpudo e soltava faíscas, resultando nas luzes pelo céu.







Enfim, um museu que abriu meus olhos pra essa região tão inóspita do nosso planeta - e quem sabe ainda nessa vida eu não tenha a oportunidade de ver mais desse lugar tão lindo e interessante?!
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top