Rijksmuseum em Amsterdã (sim, eu voltei pra capital holandesa!)

/

Amsterdã não me surpreendeu de primeira. Me deixei impressionar pelas vitrines do Red Light district, pelos coffee shops e pelo número assustador de turistas. No entanto, nessa segunda ida à cidade pude aproveitá-la mais vazia, com um clima melhor (da outra vez choveu o dia todo!) e com mais tranquilidade, sem precisar ficar correndo de um ponto turístico ao outro.

A primeira vez que pisei em Amsterdã foi no começo de maio de 2015 e confesso que apesar de achar a cidade charmosa, fiquei um pouco decepcionada com algumas coisas, como o número excessivo de turistas até mesmo num dia de chuva. O museu do Van Gogh tava tão lotado que mal consegui ver as coisas com calma e bem... nem preciso dizer que entrar na casa da Anne Frank passou longe de ser real, já que numa segunda às 9 da manhã a fila já estava gigante.

Dessa vez, não tínhamos muitos lugares na lista, sabe? Já havíamos feito um walking tour e aprendido muito sobre a cidade; já tínhamos tirado foto no letreiro I Amsterdam e também havíamos visitado um museu, a parte medieval da cidade, caminhado muito pelos canais e até por um mercado de rua. Queríamos uma coisa mais light e foi exatamente o que aconteceu, o que acabou fazendo com que aproveitássemos melhor a cidade e a companhia.

Como a Carol tinha um museum card (que usamos no museu Naturalis em Leiden), conseguimos entrar no Rijksmuseum "de graça". De graça não foi porque a Carol pagou mais de 50 euros nesse cartão, porém contribuímos com uma quantia e todo mundo saiu feliz - afinal de contas, pagar 18 euros pra entrar no museu não estava me deixando muito animada, sabe?

Aliás, essa é uma observação que eu já tinha feito da outra vez que fui pra Holanda: cidade caríssima pra turismo. Se você pesquisar "coisas pra fazer de graça em Amsterdã" achará pouquíssimas opções.

amsterda holanda inverno


amsterda holanda inverno


Bem, chegamos no museu por volta de 11 da manhã e acho que por causa das baixas temperaturas em plena segunda-feira, muitos turistas ainda não estavam... turistando. Não tinha fila nem nada pra entrar no Rijksmuseum e o passeio valeu demais!

Quer dizer, como eu falei, pagar 18 conto num museu não é animador, mas se você curte história, arte e arquitetura, compensa. O prédio em si é lindo e muitas vezes ficamos mais impressionados com o museu em si do que o museu continha, sabe? De qualquer forma, a parte mais "lotada" foi a sala onde o quadro "The Night Watch", do holandês Rembrandt, está.

rijsmuseum inverno

rijsmuseum inverno


Esse quadro é simplesmente gigantesco e trata-se de um retrato militar - Rembrandt utilizou diversas técnicas na pintura do quadro (que levou quase um ano!) e há várias interpretações e significados para as cores utilizadas, posicionamento dos personagens, etc. No museu há alguns folhetos explicativos bem didáticos sobre alguns pontos do quadro.

Também visitamos a parte da Van Gogh e meio que andamos aleatoriamente pelos andares do Rijksmuseum - há também uma linda biblioteca com uma exibição de diversas moedas e sem querer achamos uma do Brasil, na época em que a Holanda invadiu o nordeste.

rijsmuseum inverno

biblioteca rijksmuseum



Enfim, o museu é enooooorme e não dá pra ver tudo de uma vez só, porque por mais horas que você passe lá dentro, depois de umas 2 horas você fica meio saturado, sabe?

rikjsmuseum inverno

rikjsmuseum inverno

rikjsmuseum inverno


Saímos de lá e fomos comer um lanchinho numa rede chamada Bagels & Beans (o que foi uma ótima ideia, já que tudo em Amsterdã é muito caro e ali pudemos tomar umas bebidas quentes e comer um bagel delicioso por menos de 10 euros cada).

Mas Amsterdã é Amsterdã e ainda tínhamos o resto do dia pra aproveitar. No próximo post eu conto o que fizemos, mas adianto que tem a ver com parques, sexo e... maçã.
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top