Amsterdã, uma cidade cultural (e liberal)

/

E aí que no meu domingo de chuva em Amsterdã na companhia do meu R., da minha amiga Carol e do R. dela, tivemos a oportunidade de fazer um walking tour incrível, almoçar uma comidinha tipicamente holandesa (um purê de batata misturado com cenoura, carne e gravy), andar de tram pela cidade pra achar o museu do Van Gogh e se divertir na área mais animada da cidade à noite, o Red Light.


Por sorte e precaução, eu e R. já havíamos comprado ingresso pro Museu do Van Gogh e foi a melhor coisa que fizemos. As filas em Amsterdã são absurdamente imensas e mesmo num dia de chuva não deu trégua. Conseguimos "pular" a fila pois tínhamos o e-ticket e foi relativamente ok pra entrar (enquanto a Carol e o R. foram pra outro museu, já que não tinham ingressos pro Van Gogh).

Ao entrar no museu já fiquei incomodada com a quantidade de gente lá dentro. Pra fazer um novo paralelo de Amsterdã e Paris (como fiz no outro post), sabe aquelas filas pra entrar no Museu do Louvre? Pois é, elas são tão gigantes quanto, mas o Louvre é tão grande que você não se sente claustrofóbico lá dentro (a não ser perto dos quadros famosos, tipo a Monalisa). O Museu do Van Gogh, no entanto, não é tão grande e mal dá pra ver as coisas de tanta gente na sua frente, ao seu lado, atrás de você. Eu fiquei chateada de não ter curtido tanto o museu, mas fazer o quê?

O rei das selfies

Acho que eu esperava mais desse museu, mas se for pra fazer um outro paralelo, foi melhor que o Museu do Picasso em Barcelona. Ao menos o do Van Gogh foca muito na vida do autor, seus sonhos, seus amigos e família, muito mais do que o do pintor espanhol.

Fotos não são permitidas, mas mesmo assim tinha galera tirando foto dos quadros. Gente, vocês não sabiam que dá pra encontrar fotos dos quadros dele em alta resolução na internet? Pelo amor!

Quase duas horas depois, já estressados com o tanto de gente lá dentro (mas tendo visitado todos os 3 andares e salas do museu), saímos pra encontrar a Carol e o namorado, que nos esperavam na frente do Rijksmuseum e do famoso letreiro "I Amsterdam". Apesar da chuva, conseguimos tirar algumas fotos (que sim, estão lotada de estranhos, já que mesmo na chuva os turistas não desistem de ter a sua foto nesse lugar tão icônico!).




Queria muito ter visitado o Rijksmuseum - aliás, são muuuitos museus na cidade e tem muita coisa boa pra ver! Entretanto, como não tínhamos muito tempo, dessa vez não deu pra ver tanta coisa cultural - algo que quero corrigir logo, já que essa é a desculpa perfeita pra visitar a Carol mais vezes!

Lá do "I Amsterdam" a ideia era seguir pro Sex Museum, mas ao chegar lá, fuéééén: ele estava em reforma. Uma pena, pois tínhamos entrado no site poucos dias antes de ir pra lá pra conferir os horários de abertura e fechamento do museu e não tinha nenhuma informação sobre o fechamento do local!

Sendo assim, caminhamos pelos canais pra fugir da muvuca do centro (e a chuva deu uma trégua, oba!), jantamos umas pizzas num restaurante italiano e fizemos hora até cair à noite, quando pudemos finalmente sentir a vibe do Red Light.



Gente, o negócio ferve de turista. Dá pra sentir a testosterona no ar - aquele monte de homem tudo doido, rindo, bebendo, se divertindo. Tem muitas mulheres também! Mas cara, é inevitável ficar meio chocado com tudo aquilo. São muuuitas mulheres atrás das vitrines: algumas dançando, algumas paradas. Todas elas tem aquele corpão de stripper, sabe? Algumas muito bonitas. Eu fiquei curiosa em relação aos preços mas não precisei esperar muito pra saber, já que você vê alguns homens interessados que batem no vidro pra perguntar o valor - uma delas abriu a janela e respondeu "50 euro". Agora, não sei o tipo de serviço que custa 50 euros - se é por hora, por atividade feita....

E o cheiro de maconha? Afffffffff. Pelo menos por ali e no centro, dá pra sentir bem o cheirão saindo das coffee shops. Eu não curto e por isso nem quis provar, mas pra quem tá a afim, é super acessível a aparentemente tranquilo.

No dia seguinte... well, no próximo post eu falo do dia seguinte.
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top