Casamento em Portugal: Lu e Kealan

/

Antes de irmos pro Brasil, ainda em setembro, fomos convidados pra terceira (de quatro) festa de casamento do ano. Pois é. Já tinha rolado um casamento no interior em maio e um outro que não pude ir em junho, além do casamento do meu primo no Brasil que aconteceria em setembro.

Pelo jeito as pessoas acreditam forte no amor ainda, né? :)

Bom, o casamento era da minha amiga Lu com o irlandês Kealan. Eles decidiram se casar em Portugal e eu achei o máximo viajar pra fora só pra ir num casamento, sabe? Chique demais! Tanto a cerimônia quanto a festa aconteceram em Sintra, um lugar simplesmente deslumbrante que fica a uns 40min de trem de Lisboa.

Centro de Sintra


Vista do hotel


Nós pegamos um vôo na sexta à noite e dormimos em Lisboa - e cara, como internet faz falta no celular! Nós não tínhamos salvo nenhum mapa - nem no celular nem impresso porque as semanas que antecederam o casamento foram de pura loucura - eu com o mestrado e o CELT e o R. com o trabalho. Sendo assim, só nos demos conta que não sabíamos chegar direito no hotel quando chegamos lá, hahaha.

Mas tudo bem. Com ajuda de pessoas e o mapa do metrô, conseguimos, após subir tenebrosa ladeira (afinal de contas, estamos falando de Portugal, não é mesmo?), achar o hotel. Saímos pra comer mas não fizemos nada pois já era tarde e no dia seguinte acordaríamos relativamente cedo pra ir pra Sintra.

Ah, um p.s. importantíssimo que já ia me esquecendo! No vôo  Dublin - Lisboa, tive a oportunidade de entrar na cabine dos pilotos! É que toda vez que entro no avião tendo dar uma espiada, e a aeromoça disse que eu poderia entrar ao final do vôo. A promessa foi cumprida! O piloto não só me recebeu super bem, como pediu pra eu sentar, me deu seu chapéu e se ofereceu pra tirar foto - a cabine parece um videogame gigante! Amei a experiência!!!



Fazia um calorão no sábado e o centrinho estava bom-ban-do. Foi engraçado, porque quando estive lá, em abril de 2014, não era alta temporada (além de ser um dia da semana), então tava muito tranquilo, sabe? Dessa vez, era turista pra todo lado, principalmente franceses e alemães!

Fizemos o check-in no hotel, o Tivoli (que foi ótimo!) e saímos pra almoçar rapidinho antes de começarmos a nos arrumar pra cerimônia, que começaria umas 4 da tarde. Ali no centro já encontrei umas amigas, que indicaram um restaurante simplesmente maravilhoso. Comi um bacalhau dos deuses ao som de uma música ao vivo deliciosa e uma brisa sensacional. Sabe aquele clima beeem dolce far niente? Pena que tivemos que cut it short pois precisávamos nos preparar!

Voltamos pro hotel e eu comecei o processo de embelezamento - claro, o R. precisou de poucos minutos pra tomar um banho e se arrumar, enquanto eu levei um tempão pra fazer a maquiagem and colocar a meia-calça fina sem rasgá-la - o que não deu certo, claro! Mas ainda bem que eu tinha levado uma de reserva justamente pensando nisso!

Quando fui ligar o meu babyliss pra ele ir esquentando enquanto eu terminava de me arrumar, surpresa: esqueci a porra do adaptador! Quer dizer, adaptador eu levei, mas somente pro meu carregador do celular... o meu babyliss foi comprado na Amazon e tem tomada americana, aquela de dois filetes, sabe? Desespero total. R. foi até a recepção pra ver se o hotel tinha um adaptador e nada. Mandei mensagens desesperadas no grupo de Whatsapp que a Lu tinha montado com os convidados e uma alma caridosa respondeu a mensagem rapidinho dizendo que tinha o bendito! R. foi buscá-lo pra mim e basicamente tive 10 minutos pra tentar fazer algo decente no meu cabelo. Não fiquei feliz com o resultado, mas infelizmente foi o que deu pra fazer. :(

A cerimônia foi lindíssima, tanto em inglês como em português. O cerimonialista que eles contrataram falava as duas línguas, assim tanto a família irlndesa do Kealan como a família brasileira (e amigos também, que foram em peso do Brasil e da Irlanda!) da Lu poderiam entender. Tudo bem que era mais fácil entender o cara falando inglês do que português mesmo, por causa do sotaque, mas ok, risos. Brincadeira!

Fala se ela não tava liiiinda?!


A Lu uns dias antes do casamento me fez um convite super especial, que foi de ler um poema (em português) enquanto um amigo do noivo leria o mesmo poema em inglês. Me senti honrada com o convite e fui firme de que não choraria. Pois bem. Aguentei muito bem até as últimas linhas, quando dei uma choradinha, segurei  a respiração e terminei a leitura. Ah gente, casamentos são muito emocionantes!



Após a cerimônia, ficamos no mesmo local tomando drinks e comendo aperitivos, que estavam uma delícia!



Algumas horas depois anunciaram o jantar e descemos pro salão do hotel - estava tudo lindissimamente decorado e eu e R. ficamos numa mesa com alguns amigos da Lu e os namorados irlandeses das bridesmaids dela! A comida estava deliciosa - eu nem aguentava mais comer - e o bolo também.



Bem-casado: melhor motivo para um casamento existir!


Após o jantar, seguindo a tradição de casamentos irlandeses, voltamos ao salão para a primeira dança do casal, que viria seguida de uma banda de pop, pop/rock... só que não! Após a primeira dança dos noivos, entrou no salão uma bateria de samba super animada! Não foi uma surpresa pois eu já sabia que isso aconteceria, mas mesmo assim foi super legal. Os irlandeses presentes ficaram um pouco tímidos, mas ok. Depois da bateria de samba, entrou uma banda super legal e enxuta - era somente a vocalista e dois músicos: um na guitarra, outro no baixo. Eles tocaram várias músicas rock e fugiram do clichê banda de casamento, foi super legal! Dancei até não aguentar mais.



Ainda durante a noite rolou uma mesa de doces maravilhosas cheia de doces portugueses, cheesecakes, bolos, tortas, etc... tudo divino!

Ao invés de jogar o buquê, a noiva jogou umas pelúcias do Santo Antônio e adivinha? Peguei um! hahaha. A cara do R. foi impagável!



No dia seguinte, mortos de cansados, saímos de Sintra e fomos pra Lisboa com algumas amigas. Elas resolveram ficar pelo centro, enquanto nós deixamos as malas na estação e seguimos pra Belém - eu queria tanto que o R. conhecesse! Andamos por Belém, comemos bolinho de bacalhau e pastel de Belém, mas logo deu a hora de voltarmos e aí foi uma dor de cabeça, porque não passava nenhum bonde de jeito nenhum. Já tava ficando em cima da hora pra voltarmos, então pegamos um táxi (depois de andar um bocado) e conseguimos chegar no metrô a tempo de seguirmos viagem pro aeroporto.

Uma viagem rápida e cansativa, mas deliciosa! Chegamos em Dublin pra lá de meia-noite e estaríamos no aeroporto novamente em menos de 15 horas - dessa vez, pra pegar o vôo para São Paulo!


Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top