O melhor da Tailândia é...

/

... a massagem tailandesa, claro!

Mas antes, um contexto mais explicadinho ainda sobre Phuket:

De modo geral, Phuket foi super tranquila. A gente tomava café no hotel, ia pra piscina, almoçava em algum restaurante a no máximo 10 minutos a pé do hotel, voltávamos, descansávamos... não teve do que reclamar.

No ficamos num hotel simples, porém bem gostoso e confortável. O quarto era enorrrrme, o que foi um alivio depois dos quartinhos minúsculos que ficamos na Malásia e Singapura. A piscina era muito boa e tava sempre vazia, e o café-da-manhã servido numas mesinhas à beira da piscina.






Achamos a região de Rawai bem pobre. Vimos bastante sujeira e os restaurantes não tinham aquela vibe de arrumadinho e pop, sabe? Não que isso tenha sido um problema, porque na verdade restaurantes mais simples acabam sendo mais baratos mesmo.

No entanto, a vilazinha logo esgota suas opções, então acabamos comendo no mesmo restaurante repetidas vezes - de novo, não é um problema, mas se de repente a pessoa procura uma certa badalação, com certeza Rawai não é o lugar ideal.









Uma coisa que queríamos muito fazer na Tailândia era a tal da massagem tailandesa. Mas a gente sabe, e já tinha lido, que rola muito turismo sexual atrelado as tais massagens, e não queríamos cair num lugar chinfrim ou um que só faz massagem de fachada pra outras atividades.

E assim, quando você está andando nas ruas da vilazinha, vê dezenas de casas de massagem, todas com várias moças jovens e bonitas sentadas na porta te convidando pra entrar. É meio desconfortável, então decidimos pedir recomendações na recepção do hotel e a moça nos indicou um lugar que ficava praticamente na esquina. Não precisa marcar horário nem nada, é só chegar, tirar o chinelo e elas cuidam de você. Nos levaram pra uma salinha bem simples com ventilador onde havia duas camas. Deixaram sob a cama uns shorts bem soltinhos e confortáveis pra gente se trocar e uma caixa para colocarmos nossos pertences - que foram pra debaixo da cama.

Eu fiquei numa cama ao lado do R., mas não ficávamos nos olhando porque grande parte da passagem é feita com você de bruços.

Foi uma experiência muito maravilhosa porque a massagem é muito gostosa. Não é aquelas massagens de óleo que a pessoa só vai tocando de levinho - tem força, e elas usam os punhos, braços e peso dos próprios corpos pra fazer a massagem em você, mas apesar de doer um pouco, é aquele tipo de dor gostosa, sabe? rs

Elas começam pelos braços, fazem as pernas... e depois você vira de barriga pra cima. Nesse momento eu e o R. não conseguimos segurar o riso porque nos dois estávamos gostando, mas sentindo dor ao mesmo tempo. Sabe quando o corpo reage de um jeito que você não espera? As
massagistas falaram alguma coisa em tailandês e riram também.



A melhor parte da massagem foi no final, quando elas sentaram atrás da gente na cama e puxaram nossos braços pra trás - foi um jeito maravilhoso de esticar os músculos! Elas também estralam todos os seus dedos da mão AND do pé, coisa que eu nunca tinha feito e doeu pra caramba.

Mas o melhor ainda estava por vir - pelo menos pra mim. A moça que tava fazendo a massagem do R. acabou 1 minuto antes e saiu da sala enquanto ele, sentando na cama, tava olhando a outra massagista acabar a minha. Ela tava esticando meus braços pra trás e resolveu fazer algo diferente. Ela apoiou os joelhos nas minhas costas (eu não sabia o que ela tava fazendo) e contou até três... quando chegou no 3, ela me levantou num U invertido, um movimento que eu não fazia provavelmente desde uns 5 anos de idade.

Não foi tão intenso, mas foi mais ou menos assim, só que eu tava totalmente suspensa, sem apoiar braços e pernas em lugar nenhum


E só pra entender: eu sou gordinha, pesada. A moça era super pequenininha, com certeza mais baixa e leve que eu e levantou todo o peso do meu corpo com suas pernas. Fiquei suspensa no ar, aterrorizada e feliz ao mesmo tempo. O R. não parava de rir de choque, e ela me colocou de volta na cama e saiu pra gente se trocar.

Foi uma experiência absolutamente surreal e incrível, amamos cada minuto e fizemos a promessa de que faríamos uma outra massagem na nossa passagem pelo sudeste asiático

E fizemos: o guia do Lonely Planet indicava um local de massagem que parecia super bacanudo em Luang Prabang, Laos. Colocamos o local numa lista e uma vez que estávamos lá, fomos ver como era o esquema. O ugar era lindo e super chique, definitivamente um passo acima do local onde
havíamos ido em Phuket.



Primeiro trocamos de roupa e colocamos um shorts bem larguinho e camiseta confortáveis. Depois sentamos na recepção e as massagistas limparam nossos pés numa água quentinha com sabonete e tal. Fomos pra sala de massagem e por uma hora elas apertaram, estralaram e massagearam nossos braços, pernas, costas e até bunda! hahahaha

A massagem no Laos foi gostosa, mas mais suave do que a tailandesa então ficamos um pouco ahhhh, mas foi só isso? Não que não recomendamos esse lugar, porque recomendamos sim, mas porque depois daquela massagem power onde fui elevada aos céus num formato de U invertido, rs, a massagem laosiana empalideceu um pouco.

Mas enfim, esses dias em Phuket foram bem tranquilos e de lá fomos pro Myanmar (todos os posts já estão aqui no blog!). Depois de uma semana no Myanmar voltamos pra Tailândia, mas dessa vez ficando uns dias em Bangkok e é dessa cidade que falarei no próximo post!
Web Analytics

@blog_barbaridades

Back to Top